Audiência sobre Trecho Norte do Rodoanel acaba em briga

Estadão

16 Dezembro 2010 | 11h07

A audiência pública para discutir os impactos ambientais do Trecho Norte do Rodoanel acabou em pancadaria ontem em Guarulhos. Havia dois grupos distintos entre as mais de mil pessoas que se espremiam no anfiteatro da Universidade de Guarulhos. Um deles contrário às obras das pistas que devem ligar os trechos Oeste ao Leste, passando pela Serra da Cantareira, Guarulhos e Arujá. E outro favorável.

Por falta de segurança, a reunião foi cancelada e um novo dia e local deverá ser definido hoje pela Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa), empresa do governo do Estado responsável pela obra e pelo Conselho Estadual do Meio Ambiente (Consema), que organiza as audiências públicas.

A briga começou quando uma técnica dava explicações sobre os impactos ambientais da obra. Uma pessoa na plateia, contrária ao Rodoanel, interrompia a todo momento. O grupo a favor começou a mexer com a mulher do contra. Os ânimos ficaram cada vez mais acirrados até que várias pessoas começaram a trocar tapas e empurrões. A briga foi rápida, mas o suficiente para evitar o prosseguimento do encontro.

“Esse local ficou muito pequeno para a quantidade de pessoas que se apresentaram. A questão de segurança está prejudicada. Firmamos uma acordo aqui e amanhã (hoje) vamos escolher uma nova data e um local adequado para a audiência”, explicou Germano Seara Filho, secretário-executivo do Consema e presidente da audiência.

O grupo contrário era formado por moradores de bairros que serão divididos pelas pistas do tramo norte ou que terão de se mudar para dar lugar ao Rodoanel. Nossa proposta é que se utilize a Rodovia Dom Pedro I para ligar os trechos Oeste e Leste do Rodoanel, para não passar pela Cantareira. Se isso não for possível, que se utilize um túnel”, defende Daniele dos Santos Marques, que mora no bairro Cabuçu, em Guarulhos, onde vivem 75 mil pessoas.

Entre os favoráveis estava um grande grupo de pessoas que foi pago para acompanhar a audiência e mostrar cartazes com dizeres pró-Rodoanel. Esses cartazes eram todos escritos com a mesma letra. Essas pessoas, muitas vindas de ônibus da cidade de São Bernardo do Campo, receberam R$ 50 cada uma para ir à reunião. “Me deram R$ 50 para vir aqui e eu quero R$ 1 mil agora para não falar que fui pago”, disse um jovem que disse se chamar Ceará. Outra rapaz do mesmo grupo, de nome Luiz, falou que eles vieram de São Bernardo, mas não revelou quem teria pago a gratificação para todos.