Travessa do grafite
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Travessa do grafite

Edison Veiga

14 Fevereiro 2014 | 15h59

FOTO: EVELSON DE FREITAS/ ESTADÃO

Se depender da vontade do grafiteiro Rui Amaral – morador da região há 25 anos –, a Travessa Paschoal Astolpho, na Vila Ipojuca, vai se transformar numa espécie de novo ‘Beco do Batman’, reduto do grafite na Vila Madalena. Ele já começou a encher de cores os muros da pequena via que, neste sábado (15), terá programação especial para inaugurar o espaço.

Entre 11h e 16h, três chefs de cozinha estarão com estandes montados ali – Paulina Alzamora Leyton e Erik Fernandes (do Doña Flora Fernandes) e Vinicius Oliveira (do Cozinha Ambulante). Para a criançada, estão previstas ainda oficinas de grafite e de maquiagem de bichos, entre outras brincadeiras. Para incentivar as pessoas a deixarem o carro em casa, um bicicletário será instalado no local.

A ideia é que, a cada quatro meses, novos artistas estampem os muros da rua. Amaral, grafiteiro das antigas em São Paulo, tem know-how para fazer a Vila Ipojuca acontecer: nos anos 1980, ele integrou o grupo de artistas que criou o próprio ‘Beco do Batman’.

Publicado originalmente na edição impressa do Estadão, coluna ‘Paulistices’, dia 14 de fevereiro de 2014

Tem Twitter? Siga o blog

Mais conteúdo sobre:

ARTECulturaGrafiteSão Paulo