Testemunha da História de SP: a sobrinha do criador do Zoo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Testemunha da História de SP: a sobrinha do criador do Zoo

Jacira Gonçalves Varoli era criança quando viu o Zoológico em obras

Edison Veiga

10 de março de 2015 | 07h44

Foto: Tiago Queiroz/ Estadão

Foto: Tiago Queiroz/ Estadão


_____________________
Paulistices no Facebook: curta!
E também no Twitter: siga!
_____________________

Era um carro minúsculo o do Emilio Varoli, de acordo com as memórias de sua sobrinha, Jacira Gonçalves Varoli, hoje com 65 anos. “Não me lembro o modelo, mas sei que ele passou em casa um dia, me colocou dentro do carro e prometeu: vou levá-la para um lugar legal”, recorda-se.

Estrada de terra, buracos, calor, demora. “E o céu cinza”, pontua ela, que tinha 8 anos e já achava aquele tio uma figura “extremamente interessante”, que trabalhava perto de sua casa, no Parque da Água Branca e vivia viajando pelo mundo. Emilio Varoli (1912-1981) era diretor do Departamento de Caça e Pesca da Secretaria da Agricultura e foi o responsável pela construção do Jardim Zoológico de São Paulo, que seria inaugurado em 16 de março de 1958, dois ou três meses depois daquele passeio de carro com Jacira.

Ela nem sabia o que era um zoológico

“Quando chegamos, era só aquela terra vermelha para todo lado, e máquinas e tratores. ‘O que é isso, tio?’, perguntei”, narra ela. E ele respondeu que iria ser o Zoológico de São Paulo. “Eu nem sabia o que era um zoológico, então fiz cara de quem não entendeu”, completa. “Quando ele começou a enumerar os bichos que eu haveria de conhecer ali, muito em breve, e citou onça, leão, rinoceronte… Ah, aí eu comecei a achar aquela história toda muito boa.”

Na inauguração, o Zoo contava com 482 animais, dentre os quais duas onças-pintadas e uma preta, um urso, um rinoceronte, nove cervos, 23 papagaios e três ararinhas-azuis. Durante a infância, Jacira esteve diversas vezes ali, ou com o tio, ou com o pai, o comerciante Ernesto Varoli – morto em 2006. “Em 1971, levei meus alunos para um passeio ali”, conta ela, que atuava como professora de português antes de se tornar relações públicas da Caixa Econômica Federal – onde se aposentou.

Depois, só voltaria ao Zoológico no início deste ano, na companhia da reportagem do Estado. “Sempre achei muito difícil de chegar”, justifica ela. A ocasião, portanto, foi a primeira vez em que ela esteve no Zoo na companhia do filho, o jornalista Ricardo Varoli, de 31 anos – que fez questão de ir junto. “Ao contrário do comum, decididamente este não era um passeio de família par mim”, conforma-se ele. “Mas eu sempre soube das histórias de meu tio”.