Salvem os pássaros!
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Salvem os pássaros!

Em artigo, especialista cobra plantio de árvores frutíferas para uma cidade cheia de aves

Edison Veiga

07 de março de 2015 | 20h29

Foto: Sergio Castro/ Estadão

Foto: Sergio Castro/ Estadão


_____________________
Paulistices no Facebook: curta!
E também no Twitter: siga!
_____________________

Por Johan Dalgas Frisch*

As cidades não estão sendo urbanizadas com árvores que possam atrair pássaros e beija-flores. Estão substituindo os jacarandás, com flores azuis, por uma porção de árvores de menor interesse à natureza, que nem mesmo sombras dão. Isto quando ainda plantam árvores.

Os novos loteamentos do “Minha Casa, Minha Dívida” não têm absolutamente nada sequer de verde. Mesmo os novos grandes empreendimentos caríssimo para a classe AAA contam com uma tapeação muito bem feita com algumas plantinhas escolhidas por decoradores com cores, que nada, absolutamente nada têm a oferecer para a presença de aves como bem-te-vis, sabiás, corruíras, tico-ticos e até pardais.

É uma vergonha. Novas gerações, ao nascerem, não chegam a ouvir no início da primavera o canto dos sabiás nas madrugadas. Sem isso, como esses jovens poderão se tornar grandes poetas, grandes compositores, grandes escritores, enfim, grandes brasileiros?

Toda criança precisa ouvir o canto dos pássaros

Uma criança que na sua infância não ouve o canto de uma ave, não acompanha o nascimento de um pássaro junto ao seu ninho, infelizmente acaba se tornando “drogada por brinquedos eletrônicos”. Torna-se uma pessoa da qual se tirou totalmente a poesia que está no DNA do povo brasileiro.

O Brasil não pode se tornar um local de Marte. Não podemos estar cheios de eletrônicos, aparentemente bonitos, mas sem alma e poesia em nossos corações.

Os órgãos governamentais infelizmente estão sendo ocupados por pessoas que, na absoluta maioria, jamais ouviram nas suas infâncias as aves cantarem nas madrugadas das primaveras.

Resultado: a preocupação deles é apenas em diminuir o custo de limpeza e manutenção das ruas e avenidas e parques. Como se a presença da natureza fosse simplesmente simbólica, e não real. Na formação de uma criança é fundamental que ela aprenda, desde a tenra infância, a apreciar e interagir com a natureza – para não destruí-la por interesses econômicos.

Se quiserem que nas praças venham juruviaras, é necessário que haja pelo menos umas árvores de guaçatonga. Se quiser apreciar gaturamos – de cores lindas – tem de ter pelo menos uma árvore calabura – mas se quiser que também façam ninhos na praça, plante orquídeas em algumas árvores. Se quiser ver a lindíssima saí-andorinha, plante uma magnólia-amarela.

Há plantas certas para atrair aves

Se plantar o fruto do sabiá – ou marianeira – poderá receber mais de 50 espécies diferentes de aves, até mesmo aquelas insetívoras, como bem-te-vis, tesouras e até pica-paus.

Para ter a presença de beija-flores durante o ano todo, plante grevílea anã, russelia, flor de maio, brinco de princesa, fúcsia, lágrima de cristo, entre outros.

A presença de caneleiras, pitangueiras, amoreiras e jabuticabeiras são essenciais para que sabiás, bem-te-vis e inúmeras outras aves permaneçam vivendo ao redor de nossas casas.

Não vamos permitir que nossos parques sejam cheios de plantas mortas aos olhos e ouvidos de nossos filhos e netos. O Brasil é um país fabuloso – e isto porque nossa vegetação não é sem alma, nem cor, nem vida.

* É engenheiro e ornitólogo.

>> Leia: Os heróis da natureza de São Paulo

Mais conteúdo sobre:

Meio AmbienteNaturezaSão Paulo