Quando o poeta foi bancar o burocrata
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Quando o poeta foi bancar o burocrata

DO FUNDO DO BAÚ

Edison Veiga

11 de outubro de 2015 | 04h43

Imagem: Reprodução

Imagem: Reprodução


_____________________
Paulistices no Facebook: curta!
E também no Twitter: siga!
_____________________

Em 1935, o escritor, professor de música, crítico de arte e pesquisador Mário de Andrade (1893-1945) aceitou o convite para dirigir o recém-criado Departamento de Cultura de São Paulo – embrião do que hoje é a secretaria de Cultura. Documentos que ajudam a entender sua gestão estão no livro ‘Me Esqueci Completamente de Mim, Sou um Departamento de Cultura’, organizado por Carlos Augusto Calil e Flávio Rodrigo Penteado (Imprensa Oficial, 336 pág., R$ 60).

Tudo o que sabemos sobre:

CulturaHistóriaSão Paulo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.