As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Primeira igreja protestante de SP completa 150 anos

Cerimônia considerada inaugural contou com presença, além de estrangeiros, de seis paulistanos

Edison Veiga

30 de março de 2015 | 15h07

Foto: Márcio Fernandes/ Estadão

Foto: Márcio Fernandes/ Estadão


_____________________
Paulistices no Facebook: curta!
E também no Twitter: siga!
_____________________

Foi em um casarão colonial na Rua Nova de São José, n.º 1, hoje Rua Líbero Badaró, que nasceu a primeira igreja protestante de São Paulo – há exatos 150 anos, em março de 1865. Ali morava o missionário presbiteriano norte-americano Alexander Latimer Blackford (1829-1890), que vivia no Brasil desde 1860, e em São Paulo desde 1863.

Entre os 18 participantes, 6 paulistanos

Blackford já tinha feito duas celebrações em sua residência antes daquela que é considerada o marco fundador da Primeira Igreja Presbiteriana de São Paulo – depois rebatizada como Primeira Igreja Presbiteriana Independente de São Paulo. Em 29 de maio de 1864, ministrou a Eucaristia para sete pessoas; em 8 de janeiro de 1865, foram oito participantes. Mas em 5 de março, além dos estrangeiros presbiterianos, a cerimônia teve a presença, pela primeira vez, de paulistanos – entre os 18 participantes da celebração, seis se convertiam à nova fé ali: Manoel Fernandes Lopes Braga, Miguel Gonçalves Torres, Antônio Trajano, José Maria Barbosa da Silva, Ana Luiza Barbosa da Silva e Olímpia Maria da Silva.

Para celebrar esta data, a catedral que sedia a igreja na cidade – da casa de Blackford, os cultos passaram a ser realizados em templo na Rua 24 de Maio; desde 1955, funciona a catedral na Rua Nestor Pestana – passou por reforma. Foi restaurada a pintura original, com marmorização das colunas e o dourado dos adornos arquitetônicos. Calhas acabaram substituídas, trincas foram corrigidas e a fiação elétrica, modernizada. O sistema de som também ganhou melhorias. No total, as obras consumiram R$ 1 milhão, viabilizados por doações e empréstimo bancário. “Também inauguramos uma cruz celta, símbolo do presbiterianismo, como memorial do sesquicentenário”, conta o pastor titular da catedral, Valdinei Aparecido Ferreira.

Foto: Márcio Fernandes/ Estadão

Foto: Márcio Fernandes/ Estadão

História. Várias instituições hoje importantes para a cidade nasceram graças à iniciativa da Primeira Igreja. É o caso da Escola Americana, depois Instituto Presbiteriano Mackenzie. “Vale lembrar que isso ocorreu em uma época em que a tradição religiosa católica impunha uma visão bastante conservadora da sociedade. E o ponto de vista protestante, com a premissa de que até a autoridade tem de estar submetida à lei, era novidade em São Paulo”, contextualiza o pastor Davi Charles Gomes, chanceler do Mackenzie. Também foram criados pela Primeira Igreja a Associação Cristã de Moços de São Paulo, o Hospital Samaritano e a Associações Cemitério dos Protestantes, entre outras entidades.

Há 921 mil presbiterianos no Brasil, hoje

Pastor Ferreira lembra ainda a importância cultural. “Sem dúvida, a chegada do presbiterianismo para São Paulo teve um papel relevante para a pluralização da sociedade, pois quebrou a hegemonia do catolicismo, então igreja oficial do País”, pontua. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), há 921 mil presbiterianos no Brasil – 38 mil na capital paulista. “Das cerca de 600 igrejas espalhadas pelo País, 150 estão em São Paulo”, diz Ferreira.

>> Lista: 5 detalhes da igreja histórica.

Tendências: