O bicampeão
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O bicampeão

Edison Veiga

05 Agosto 2016 | 14h01

Foto: Acervo Estado

Foto: Acervo Estado


_____________________
Paulistices no Facebook: curta!
E também no Twitter: siga!
_____________________

Escultor, ator e adido cultural na embaixada brasileira na Nigéria, o paulistano Adhemar Ferreira da Silva (1927-2001) se tornou esportista por um motivo prosaico. “Achei a palavra ‘atleta’ bonita e decidi que queria ser um”, explicou ele, certa vez. Tornou-se o primeiro brasileiro a ganhar dois ouros olímpicos – salto triplo nos Jogos de Helsinque, em 1952, e de Melbourne, em 1956. Fumante inveterado, acabou diagnosticado com problemas pulmonares que o impediram de disputar sua terceira Olimpíada, em Roma, em 1960. É o único brasileiro homenageado no salão da Federação Internacional de Atletismo (IAAF).

O paulistano treinava no São Paulo Futebol Clube. É em referência a suas duas medalhas olímpicas, aliás, que o time enverga duas estrelas douradas acima do escudo, no uniforme.

O atleta também é homenageado em um memorial localizado no Estádio Cícero Pompeu de Toledo, o popular Morumbi. Em 2007, a Ponte do Limão, na zona norte, foi oficialmente batizada de Adhemar Ferreira da Silva, em memória ao campeão. A placa só foi instalada no logradouro em 2011.

Mais conteúdo sobre:

EsporteHistóriaOlimpíadaSão Paulo