Natureza na praça
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Natureza na praça

Exposição mostra vida na Mata Atlântica

Edison Veiga

12 de agosto de 2015 | 14h17

Foto: Luciano Candisani/ Divulgação

Foto: Luciano Candisani/ Divulgação

Foto: Luciano Candisani/ Divulgação

Foto: Luciano Candisani/ Divulgação


_____________________
Paulistices no Facebook: curta!
E também no Twitter: siga!
_____________________

Abre nesta quinta (13) a exposição ‘Floresta Viva’, na Praça Victor Civita (Rua Sumidouro, 580, Pinheiros. Grátis). São fotos que retratam a fauna, a flora e as paisagens da Mata Atlântica, registradas no Legado das Águas – Reserva Votorantim, uma área de 31 mil hectares que pertence ao Grupo Votorantim há mais de 50 anos, a 120 quilômetros de São Paulo.

As imagens são do fotógrafo Luciano Candisani, especialista em retratar animais na vida selvagem. “Parte das fotografias foi produzida de forma tradicional – resultado da experiência de Candisani para entrar furtivamente na floresta e captar as atitudes mais naturais dos animais”, informa a organização da mostra. “Outras imagens foram feitas por meio dos Estúdios da Mata, armadilhas fotográficas montadas no meio da floresta, com equipamentos de última geração, que disparam o obturador da câmera automaticamente assim que ocorre algum movimento no campo de visão da câmera. Os resultados são registros surpreendentes, como o da onça parda que expressa, em seu olhar, a suspeita de que algo diferente está acontecendo ali.”

“A experiência dos Estúdios na Mata é inédita na Mata Atlântica. Eles se distinguem das tradicionais armadilhas fotográficas pois, além de usarem uma câmera profissional, capaz de registrar os animais com alta resolução, há flashes de iluminação escondidos junto às árvores e que permitem que não só o animal seja iluminado, mas seja registrado também o ambiente da floresta atrás dele em um plano aberto”, prossegue o texto de divulgação. “Cada estúdio possui dezenas de metros de fios enterrados no solo, que ligam as câmeras e a iluminação aos sensores de presença, disparando o obturador quando há movimento diante da lente. Os fios ficam enterrados para evitar que sejam destruídos pelos roedores da floresta.”

Na mostra, há imagens produzidas desde 2012. No período, Candisani compilou um acervo com mais de 400 fotografias, incluindo o registro de 18 espécies da fauna da Mata Atlântica. Somadas às fotos feitas pelo método tradicional, já foram registradas 65 espécies de animais em ambiente natural, em 40 expedições do fotógrafo.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: