Mário de Andrade tinha acesso vip
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mário de Andrade tinha acesso vip

Edison Veiga

15 de setembro de 2010 | 07h36

FREGUÊS DE CARTEIRINHA
FOTO: REPRODUÇÃO

Tesouro da Biblioteca Mário de Andrade, a maior da cidade, o setor de obras raras e de arte sempre foi de difícil acesso ao frequentador comum. Nos anos 1950, a instituição criou uma carteirinha vip para os assíduos do espaço. Com ela, o usuário pulava a triagem e o cadastramento e tinha passe livre ao nobre espaço.

“Tomava um bonde e ia lá pelo menos uma vez por semana”, conta o historiador e arquiteto Benedito Lima de Toledo, dono do documento acima – obtido quando ele era um jovem estudante. “Ganhar a carteirinha foi minha glória.” A Secretaria Municipal da Cultura não sabe precisar quando foi que o expediente deixou de ser usado.

Até o furto de algumas obras, em 2006, o acesso ao setor era permitido – lá, o frequentador contatava diretamente um bibliotecário. Desde então, até o fechamento da biblioteca para reformas, o acesso só acontecia após agendamento. A previsão é que a Mário de Andrade reabra totalmente em 2011.

Publicado originalmente na edição impressa do Estadão, coluna ‘Paulistices’, dia 13 de setembro de 2010

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.