As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Livro revela caminhos da marquesa de Santos em SP

Edison Veiga

06 de junho de 2013 | 16h07

[galeria id=6844]

Ela nasceu e morreu em São Paulo, apesar de ter protagonizado momentos no Rio, ao lado do imperador d. Pedro I. Domitila de Castro Canto e Melo (1797-1867), a marquesa de Santos, principal amante do imperador, foi uma personagem influente e polêmica, capaz de despertar admiração e ódio em doses intensas. Mais de 150 anos após sua morte, sua presença ainda pode ser notada na capital paulista.

Exemplos conhecidos são o Solar da Marquesa – casarão perto do Pátio do Colégio, onde a marquesa viveu a partir de 1834 – e o Cemitério da Consolação, onde está sepultada.

Há, no entanto, endereços mais inusitados. “A Capela do Menino Jesus de Praga e de Santa Luzia, na Rua Tabatinguera, é um ponto que ficava perto da Fonte de Santa Luzia, que não existe mais. No local, ela foi esfaqueada pelo primeiro marido, o alferes Felício Pinto Coelho de Mendonça”, conta o historiador e arquiteto Paulo Rezzutti, integrante de Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo e autor do recém-lançado Domitila – A Verdadeira História da Marquesa de Santos (Geração Editorial, 352 páginas, R$ 39,90).

No centro da cidade, a Rua José Bonifácio também tem ligação com a história da Domitila. Lá ficava a casa onde ela morou quando era casada com Felício. “Na época, chamava-se Rua do Ouvidor”, lembra Rezzutti.

Preservação. Sede do Museu da Cidade de São Paulo, o Solar da Marquesa de Santos mantém em exposição móveis que pertenceram a Domitila. Ali, podem ser vistos, por exemplo, a cama da marquesa – provavelmente trazida de seu palacete no Rio no período em que ela, amante do imperador, morou na então capital do Brasil -, um mobiliário para chá em madeira com apliques de madrepérola e um canapé de palhinha.

Em seu túmulo no Cemitério da Consolação, uma placa a aponta como doadora do terreno. Rezzutti desmente a história. “Ao se estudar as Atas da Câmara, observa-se que uma parte das terras onde o cemitério foi construído era pública e o restante pertencia a Marciano Pires de Oliveira, que tinha uma chácara no local.”

Tema da coluna veiculada pela rádio Estadão em 31 de maio de 2013

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.