Hotelaria do passado
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Hotelaria do passado

DO FUNDO DO BAÚ _____________________ Paulistices no Facebook: curta! E também no Twitter: siga! _____________________ Acredita-se que só a partir de 1855 São Paulo passou a ter estabelecimentos funcionando como hotéis – bem modestos, como simples albergues. Em 1857, o ‘Almanak Administrativo, Mercantil e Industrial da Província de São Paulo’, publicado por Joaquim Roberto de

Edison Veiga

15 de outubro de 2014 | 07h59

DO FUNDO DO BAÚ

Foto: Divulgação


_____________________
Paulistices no Facebook: curta!
E também no Twitter: siga!
_____________________
Acredita-se que só a partir de 1855 São Paulo passou a ter estabelecimentos funcionando como hotéis – bem modestos, como simples albergues. Em 1857, o ‘Almanak Administrativo, Mercantil e Industrial da Província de São Paulo’, publicado por Joaquim Roberto de Azevedo, citava que havia na cidade cinco hotéis: o Recreio Paulistano, na Rua da Imperatriz (atual 15 de Novembro); o Paulistano, na Rua São Bento; o Universal, no Largo do Colégio; o do Comércio, na Rua da Fundição; e o da Providência, na Rua do Comércio. Os três primeiros tinham mesa de bilhar para seus hóspedes. Essa é uma das curiosidades do livro ‘Hotelaria e Desenvolvimento Urbano em São Paulo: 150 Anos de História’ (Ed. Azulsol, 128 págs., R$ 130), de Caio Calfat.
Notícias relacionadas

Tudo o que sabemos sobre:

HistóriaSão Paulo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.