As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Emoção em Heliópolis

Edison Veiga

22 de junho de 2011 | 00h01

FOTO: TIAGO QUEIROZ/ AE

“Bravo! Bravíssimo!”. Foi o que mais se ouviu da boca do maestro venezuelano José Antonio Abreu, de 72 anos, na tarde de ontem. O fundador do programa de formação musical O Sistema, que atualmente ensina música para 410 mil crianças na Venezuela, foi conhecer as instalações do Instituto Baccarelli, na favela de Heliópolis. Com cerca de 1,2 mil alunos, Baccarelli em muito se assemelha ao Sistema.

Com passos lentos, postura arqueada pela idade e visível emoção, ele assistiu a uma pequena apresentação do Quinteto de Metais da Sinfônica Heliópolis – encantou-se com o baião Xaxando no Cerrado, de Fernando Morais –, observou o trabalho das crianças que estão aprendendo violino, ouviu o coro – com canções como Garota de Ipanema – e, por fim, pôde conferir a atuação da Sinfônica Heliópolis.

“Estou encantado com tão alto nível”, elogiou. “Espero firmarmos uma irmandade musical entre o Brasil e a Venezuela.” Abreu não conseguia conter o enorme sorriso ao ver a performance das crianças entretidas com música. Nas janelas, ao fundo, o horizonte mostrava paredes sem reboco e a urbanização caótica e improvisada de Heliópolis.

Abreu nasceu na cidade de Valera, na Venezuela. Quando fundou O Sistema, em 1975, havia apenas uma orquestra sinfônica no país. Hoje, há pelo menos uma em cada cidade venezuelana. Em 1993, seu trabalho foi reconhecido pela Unesco, órgão das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.

Principal fruto do Sistema, o jovem maestro Gustavo Dudamel, de 30 anos, comanda a Sinfônica Jovem Simón Bolívar, em turnê pelo Brasil. Eles já se apresentaram em Salvador, em Paulínia e, domingo, segunda e ontem, na Sala São Paulo. No fim da semana, a orquestra segue para o Rio.

Os paulistanos vão poder conferir, no próximo sábado, os trabalhos da orquestra que emocionou Abreu. A Sinfônica Heliópolis apresenta-se na Sala São Paulo (Praça Júlio Prestes, 16, tel. 11 3223-3966) às 21h de sábado, com regência de Isaac Karabtchevsky e ingressos a R$ 30.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.