As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em cartaz, uma viagem pela São Paulo antiga

Edison Veiga

26 de setembro de 2011 | 00h01

Por meio de 40 documentos – muitos inéditos –, exposição do Arquivo Histórico mostra a evolução da cidade, dos primeiros anos ao século 20
FOTO: ERNESTO RODRIGUES/ AE

Pela primeira vez, o Arquivo Histórico de São Paulo expõe alguns dos mais importantes itens de seu acervo. Desde sábado, 40 documentos que ajudam a entender a história paulistana podem ser conferidos pelo público. A mostra A Cidade e Seus Documentos é gratuita e fica em cartaz até 21 de dezembro.

“A ideia surgiu porque estamos preparando um livro para a divulgação dessas preciosidades históricas. Então, aproveitamos para abrir a exposição também”, explica o historiador e arquivista Guido Gustavo Venturini Alvarenga, chefe da Seção Técnica de Acervo Arquivístico da instituição e responsável pela montagem da mostra.

Quem for à exposição vai encontrar atas da Câmara, plantas antigas, pinturas, croquis, mapas, fotografias e outros documentos que datam de 1555 a 1954. Todo o material foi selecionado dentre os 4,5 milhões de itens que compõem o acervo do Arquivo Histórico. A mostra traz registros que revelam momentos menos conhecidos da história paulistana – antigos usos e costumes, a cultura material e os dilemas de natureza social, econômica e política que agitaram a sociedade. “O conjunto foi organizado em quatro módulos: Colônia e Reino Unido, Império, Primeira República e Formação da Metrópole”, conta Alvarenga.

FOTO: ERNESTO RODRIGUES/ AE
Percurso. O documento exposto mais antigo é também a mais antiga ata preservada da Câmara da Vila de Santo André da Borda do Campo, de 1555 (acima). “Nela há um relato um tanto nobre”, conta o historiador. “Um oficial da Câmara renuncia ao cargo por não se achar digno de tal posição, já que estava sofrendo processos judiciais.” Da então Vila de São Paulo de Piratininga, a ata mais antiga preservada (abaixo), que também será exibida, data de 1562. “Nessa época, as sessões da Câmara eram esporádicas, aconteciam quando havia um motivo. Podia ser a cada 2 ou 6 meses…”, explica. “E as reuniões eram sempre na casa de alguém, já que não havia uma sede própria.”

FOTO: ERNESTO RODRIGUES/ AE
Do século 17, outro documento curioso chama a atenção. Trata-se de uma ata da Câmara proibindo que o bandeirante Fernão Dias saísse para o sertão com sua tropa. “Nessa época, a cidade tinha cerca de 850 habitantes. Cada vez que havia uma expedição para o interior, a população caía quase que pela metade, tantos eram os que da viagem participavam, e tantos eram os que morriam pelo caminho. Assim, a Câmara julgou que seria um desastre perder tantos paulistanos de uma só vez”, diz o historiador.

As atas de elevação da Vila de São Paulo Piratininga como sede da Capitania – praticamente virando “capital” – em 1683 – e de elevação de São Paulo de vila a cidade – em 1711, exatos três séculos atrás – também são destaques. “A exposição é uma grande viagem pelo tempo.”

FOTO: ERNESTO RODRIGUES/ AE
Do século 19, destacam-se os livros da Câmara Municipal. Entre 1871 e 1892, tinham as capas revestidas de ouro (acima). “Já era o dinheiro do café, movimentando a economia paulista e financiando essas extravagâncias”, relata Alvarenga. Nesta época, em 1888, aparece o primeiro projeto de uma via elevada férrea na cidade – ligando a Rua São Bento ao Largo do Paiçandu. Nunca saiu do papel. Datadas de 1894, estarão expostas as plantas do Grande Hotel Metropolitano, o maior da cidade na virada do século. Também há croquis do primeiro projeto para o Viaduto do Chá e folhetos com anúncio imobiliário sobre um loteamento na região da Penha (abaixo).

FOTO: REPRODUÇÃO
Na iminência do século 20, data de 1899 a ata da posse do primeiro prefeito da cidade, Antônio da Silva Prado. Também estarão expostas as discussões que culminaram na derrubada da velha Catedral da Sé, em 1911, para a construção da atual. “A antiga ficava mais perto da Rua Direita. Houve uma negociação para a mudança do local”, conta.

Com um aviãozinho italiano remanescente da 1.ª Guerra Mundial, São Paulo ganhou seu primeiro levantamento aerofotográfico em 1929 e 1930. Por fim, a exposição ainda mostra como São Paulo se preparou para as comemorações do Quarto Centenário, em 1954, com a construção do Parque do Ibirapuera – há o projeto paisagístico para o parque e os croquis do Obelisco (abaixo).

FOTO: REPRODUÇÃO
Aperitivo
A mostra antecipa alguns dos itens que estarão no livro Arquivo Histórico de São Paulo: História Pública da Cidade, com lançamento previsto para o início do ano que vem. (Na imagem abaixo, o projeto de construção do Estádio do Pacaembu.)

FOTO: REPRODUÇÃO
Serviço
A Cidade e Seus Documentos. Arquivo Histórico Municipal. Praça Coronel Fernando Prestes, 152, Bom Retiro. Tel.: (11) 3396-6018. Segunda a sábado, das 10h às 17H. Até 21/12. Grátis.

Publicado originalmente na edição impressa do Estadão, dia 26 de setembro de 2011

Tem Twitter? Siga o blog