As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Conpresp entende como ‘vitória’ aprovação de projeto do Parque Augusta

Em depoimento ao 'Estado', arquiteta Nádia Somekh, rebate críticas pela aprovação do projeto das construtoras

Edison Veiga

13 Fevereiro 2015 | 17h05

testeirapqaugusta

Imagem: Reprodução

Imagem: Reprodução


_____________________
Paulistices no Facebook: curta!
E também no Twitter: siga!
_____________________

Desde que o Conpresp, órgão municipal de proteção ao patrimônio, aprovou o projeto das construtoras Cyrela e Setin para o terreno de 23,7 mil metros quadrados chamado de Parque Augusta, críticas não pararam de ser feitas. Em depoimento à reportagem, a arquiteta e urbanista Nádia Somekh, presidente do Conpresp, defendeu o trabalho dos conselheiros. Confira:

“Ao contrário do que vem sendo dito, o formato como o projeto das construtoras foi aprovado pelo Conpresp foi uma vitória. Pessoalmente, venho acompanhando essa área há 40 anos, desde quando era estudante da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP) e fui fotografar a demolição do antigo colégio. Há muito tempo a cidade vem procurando uma solução para essa área que, como se sabe, tem na escritura exigência de que seja protegida a área verde. É um terreno que já vem sendo pensado como parque para a cidade, portanto.

É evidente que todos querem um parque mas a área é muito cara para desapropriação. Não sei se seria uma prioridade para a Prefeitura, com tudo o que acontece em São Paulo, com o orçamento restrito… Em geral, desapropriações são um prejuízo para a municipalidade. Além disso, precisamos de outros parques.

Nossa vitória pode ser explicada por diversos pontos. Primeiro, o projeto apresentado atende à resolução do Conpresp – porque eles (os responsáveis pelas construtoras) pressionaram muito a gente para mudarmos a resolução que protege a área verde e os remanescentes do colégio. Nesse sentido, tanto os conselheiros como a população foram muito ativos. Não queriam que o conselho mudasse a resolução para permitir torres mais altas, que iriam fazer sombra, seriam ruins, não muito adequadas para a área. Pois a resolução do Conpresp, de 2004, define que a área seja protegida, que a altura dos edifícios seja de no máximo 45 metros e que os remanescentes da escola sejam preservados. Tudo isso está mantido.

Além disso, o projeto prevê fruição do espaço público em toda a área térrea, inclusive da parte onde estarão os edifícios. E haverá um parque, mantido pelo condomínio. Demos anuência.

Tenho convicção de que estamos tecnicamente corretos. A resolução define as regras e os conselheiros unanimemente aprovaram isso porque estava dentro da resolução. Vamos conseguir um parque sem custo para a Prefeitura e com a garantia de fruição pública.”

Leia mais:
>Dinheiro ‘do Maluf’ pode ser usado para Parque Augusta.
>Lei determina parque em 100% do terreno.
>Outra visão sobre a questão do Parque Augusta, pelo arquiteto Benedito Lima de Toledo.
>Associação defende projeto das construtoras.
>Associação quer permuta para que a Prefeitura assuma o controle do Parque Augusta.
>Presidente de construtora detalha como é o projeto do parque.
>Entenda o histórico do Parque Augusta.