Cinemateca recupera galpão que pegou fogo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cinemateca recupera galpão que pegou fogo

Com exclusividade, confira lista completa dos filmes perdidos

Edison Veiga

09 de abril de 2016 | 16h00

Foto: Daniel Teixeira/ Estadão

Foto: Daniel Teixeira/ Estadão

Atingida por um incêndio em fevereiro deste ano, a Cinemateca Brasileira, na Vila Clementino, zona sul de São Paulo, perdeu 731 títulos, em 1.003 rolos. Eram matrizes em nitrato de celulose, que estavam acondicionadas na câmara 3 de um galpão especialmente utilizado para armazenar esse tipo de material – altamente inflamável. A instituição é mantida pelo governo federal, por meio do Ministério da Cultura.

Do total, 461 obras tinham cópias; o restante se perdeu. Todo o setor foi esvaziado, com o restante do material transferido provisoriamente para outro espaço da Cinemateca.

“Dentro de 20 dias, as obras de restauro devem ser concluídas para que o acervo em nitrato volte a ser acondicionado ali”, estima Pola Ribeiro, secretário do Audiovisual do Ministério da Cultura. O material perdido pertence a oito depositantes, além da Cinemateca.

Cinejornais. O inventário foi concluído na última semana – o Estado teve acesso exclusivo à lista (clique para fazer o download da relação completa dos títulos). A maioria dos filmes perdidos, 98,1%, era formada por cinejornais. Havia ainda curta-metragens (1,7%), um teste de atores de longa-metragem – do filme O Palhaço Atormentado, de 1946, – e um registro publicitário. No total, 181.335 metros de filme foram queimados.