Chuva de livros na CPTM
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Chuva de livros na CPTM

Companhia vai distribuir 55 mil livros na próxima semana

Edison Veiga

19 Novembro 2015 | 17h57

Foto: Epitácio Pessoa/ Estadão

Foto: Epitácio Pessoa/ Estadão


_____________________
Paulistices no Facebook: curta!
E também no Twitter: siga!
_____________________

Atenção, amantes da leitura: a Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) vai distribuir, ao longo da próxima semana, 55 mil livros aos seus usuários. O projeto, chamado Livro Livre, vai funcionar das 12h às 14h, nas seguintes estações:

Dia 24, terça – Estação da Luz (Linhas 7-Rubi e 11-Coral)
Dia 25, quarta – Estação Tatuapé (Linhas 11-Coral e 12-Safira)
Dia 26, quinta – Estação Barra Funda (Linhas 7-Rubi e 8-Diamante)
Dia 27, sexta – Estação Osasco (Linhas 8-Diamante e 9-Esmeralda)

“O objetivo é estimular o Bookcrossing, movimento que inspirou o Livro Livre CPTM e que ocorre em vários lugares do mundo com um convite sedutor: deixar o livro em locais públicos, como uma estação ou banco de trem, para que outro leitor o encontre e, após a leitura, faça-o circular, ampliando o acesso ao conhecimento”, informa a companhia, em texto de divulgação. “Além da distribuição de livros, haverá bate-papos e debates culturais entre os dias 24 e 27 nas estações. Para comemorar os 10 anos do projeto, a abertura da edição deste ano será com uma mesa-redonda sobre os bastidores da realização de biografias no dia 24, na Estação da Luz, às 12h.”

Eis a lista dos palestrantes do projeto:
* Gonçalo Júnior, autor de ‘Quem Samba Tem Alegria’, sobre o músico Assis Valente, e biógrafo de Rubem Alves;
* Luiza Nagib Eluf, autora de ‘A paixão no banco dos réus’, com relatos sobre os principais crimes passionais do país, e de ‘Matar ou Morrer’, sobre Euclides da Cunha;
* Oscar Pilagallo, biógrafo do cantor ‘Roberto Carlos’, volume da série Folha Explica, lançado em 2008, e autor de vários livros, sendo o mais recente a história em quadrinhos ‘O Golpe de 64’.