Baú de cartório
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Baú de cartório

Edison Veiga

10 Novembro 2016 | 07h15

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

A imagem acima mostra parte do primeiro documento notarial de que se tem registro na história de São Paulo. Data de junho de 1623 e é um relato redigido pelo tabelião Simão Borges Sequeira, a pedido do administrador geral da capitania, sobre o assassinato de um índio. De acordo com a escritura redigida, Timacauna estava a caminho da vila de São Paulo.

Desde o início do ano passado, quando a presença do notariado no Brasil completou 450 anos, as 9 mil instituições do tipo em funcionamento no País vêm sendo estimuladas a pesquisar documentos antigos de relevância histórica. “É uma atividade ininterrupta que sempre vai ser incentivada”, diz o tabelião Ubiratan Guimarães, presidente do Conselho Federal do Colégio Notarial do Brasil (CNB). “Com isso, conseguimos valorizar historicamente a atividade no País e, ao mesmo tempo, mostrar como ela está inserida em todo o contexto social. O céu é o limite”, complementa o tabelião Andrey Guimarães Duarte, presidente da seção paulista do CNB.

Mais conteúdo sobre:

São PauloHistória