Aviões para ler
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Aviões para ler

Feitos de livros e cheios de histórias

Edison Veiga

16 de outubro de 2015 | 07h07

Foto: Hélvio Romero/ Estadão

Foto: Hélvio Romero/ Estadão


_____________________
Paulistices no Facebook: curta!
E também no Twitter: siga!
_____________________

Sete aviões de papel gigantes ficam pendurados no teto na Biblioteca de São Paulo, inaugurada em 2010 no Parque da Juventude – em terreno antes ocupado pela Casa de Detenção de São Paulo, o Carandiru.

O que apenas observadores mais atentos percebem é que cada um deles é, por si só, uma homenagem histórica. Um dos aviões de papel, por exemplo, foi feito a partir de uma folha em que há uma ilustração de Leonardo da Vinci. Outro é uma página de um dicionário Houaiss. Há também um construído a partir da capa do livro ‘O Menino Maluquinho’ – em cortesia do próprio autor, Ziraldo. Personagens de Angeli – Rê Bordosa, Skrotinhos e outros – estampam outro dos aviões. O músico Tom Jobim recebeu dupla homenagem: um avião foi feito com reprodução do manuscrito de ‘Desafinado’, outro a partir de ‘O Samba do Avião’. Por fim, o sétimo aviãozinho gigante mostra uma reprodução de página do livro ‘Grande Sertão: Veredas’ – em que há anotações manuscritas do próprio autor, Guimarães Rosa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: