A vila dos croatas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A vila dos croatas

Edison Veiga

12 de junho de 2014 | 08h00

Doze de junho de 2014. Tem Copa. É no Brasil. É em São Paulo.

O blog não poderia ficar de fora do maior evento futebolístico do mundo. Serão 31 dias de jogos. E, aqui no blog, serão 31 dias com curiosidades paulistanas dos 31 países que participam do torneio. Uma volta ao mundo – sem sair de São Paulo. Bem amigos, como diria o narrador, está no ar a série Paulistices na Copa.

E começamos pela Croácia, adversária da seleção brasileira em partida que abre o campeonato, logo mais tarde.

Portanto, nossa viagem começa na Vila Zelina, um pedaço do Leste Europeu na zona leste paulistana. Em diferentes levas migratórias, o bairro recebeu, principalmente na primeira metade do século 20, colônias de croatas, búlgaros, eslovenos, estonianos, letos, húngaros, lituanos, poloneses, russos, checos e ucranianos. Onze povos que, na Europa, nem sempre se entendem bem. Aqui em São Paulo, encontraram harmonia.

A história do bairro começou ainda no século 19, quando a região, próxima da Vila Prudente, era chamada de Baixos do Embaúba. Vila Zelina mesmo, com esse nome, só passou a existir no papel em 27 de outubro de 1927, quando foram feitos os primeiros loteamentos.

Traços dessas culturas estão presentes no cotidiano da vila. Pão preto, sardinha curtida e repolho azedo são alguns itens que podem ser encontrados facilmente nos empórios, principalmente nos arredores da Praça República Lituana.

Ali fica a Paróquia São José de Vila Zelina (foto abaixo), igreja católica que mantém a tradição de, aos domingos, ter uma missa em lituano. Atrás dela, uma escola ensina o idioma aos mais jovens. O bairro ainda tem igreja com missa em ucraniano e a Paróquia da Santíssima Trindade, da Igreja Ortodoxa Russa, com celebrações em eslavo antigo.

Ps.: Na toponímia paulistana também há a Rua Croácia. Fica na Vila Medeiros, zona norte, e é bem pequena: são apenas 12 casas.

FOTO: MÁRCIO FERNANDES/ ESTADÃO

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: