Quando o rio era limpo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Quando o rio era limpo

Edison Veiga

29 Janeiro 2014 | 00h32

FOTO: DIVULGAÇÃO

Depois de seis meses de reforma, o Museu do Tietê volta a receber visitantes. Entre os itens expostos há artefatos indígenas – usados por povos que viviam próximos às suas margens –, réplicas de pinturas antigas em que o Tietê aparece e um rico acervo fotográfico. Destaque para as imagens da primeira metade do século 20, quando o rio era arena para prática de esportes náuticos e um dos principais pontos de lazer de São Paulo. Até o momento, entretanto, o museu conta uma história sem final feliz: o último bloco da exposição traz fotos atuais, com o rio poluído e sem vida.

Museu do Tietê. Rua Guira Acangatara, 70, Jardim São Francisco. 2958-1477. 3ª a dom., 9h/16h. Grátis.

Publicado originalmente na edição impressa do Estadão, coluna ‘Paulistices’, dia 24 de janeiro de 2014