Telhada (PSDB) dispara contra secretário de Alckmin
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Telhada (PSDB) dispara contra secretário de Alckmin

Diego Zanchetta

22 Maio 2013 | 17h38

Ex-comandante da Rota e vereador, o coronel Telhada (PSDB) disparou hoje contra o secretário estadual da Segurança Pública, Fernando Grella. “Fui para o palácio hoje para um anúncio de ‘estratégia de segurança pública’. E o que eu vi, chegando lá, foi uma piada. Policial não precisa de bônus, precisa de salário maior”, disse o coronel em entrevista à imprensa no plenário da Câmara, por volta das 17h15.

Telhada, eleito em outubro quinto vereador mais votado da capital com 89 mil votos, diz ser contrário a qualquer concessão de bônus. Ele também critica o que chama de “perseguição” do atual secretário “contra policial que mata bandido”.

“Não tem como ir para uma ocorrência hoje, você já fica em desvantagem. Hoje o policial que mata um bandido numa ocorrência fica preso um ano”, afirmou Telhada. “No ano passado precisamos fazer uma vaquinha, pegar dinheiro de empresário, para pagar advogado para um sargento que ficou preso.”

Ele afirma ainda que os números apresentados na semana passada pelo secretário, sobre crescimento do número de prisões no primeiro trimestre, são mentirosos. “Ele afirma que a Rota nunca prendeu tanto. Foram apenas 400 prisões no primeiro trimestre”, diz Telhada.

O parlamentar diz “não ter acreditado” quando Grella creditou, na semana passada, a queda dos homicídios à proibição de a PM fazer o socorro de vítimas após tiroteios. “Isso foi demais para nós, sinceramente. O que ele quis dizer, que policial agora mata no socorro?”, questionou o vereador.

 

Coronel Telhada em entrevista no plenário da Câmara: “bônus é piada, policial precisa de salário maior”, criticou.

Mais conteúdo sobre:

bônusPMTelhada