Parque D. Pedro II, no centro de São Paulo, vai ganhar pista de skate
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Parque D. Pedro II, no centro de São Paulo, vai ganhar pista de skate

Diego Zanchetta

26 de abril de 2013 | 12h52

Degradado há mais de 70 anos e um dos pontos mais perigosos e mal iluminados do centro paulistano, o Parque Dom Pedro II, ao lado do Mercado Municipal, vai ganhar uma pista de skate. A Prefeitura planeja transformar o espaço hoje tomado por moradores de rua no principal reduto dos 500 mil skatistas da cidade.

A meta é tentar também atrair as centenas de skatistas que hoje lotam a Praça Roosevelt, também na região central, o Parque da Independência, onde fica o Museu do Ipiranga, e a Avenida Paulista, três dos principais redutos dos esportistas.

O projeto teve o aval da Confederação Brasileira de Skate (CBSk). Segundo estimativa da entidade e da Prefeitura, cerca de 500 mil pessoas andam de skate pelo menos uma vez por semana na capital paulista.

“A ideia é transformar o Parque Dom Pedro II em um polo de esportes radicais”, afirma Marcos Barreto, subprefeito da Sé. Ao lado do parque, onde ficavam os antigos prédios São Vito e Mercúrio, demolidos em 2011, será erguida uma unidade do Senac.

        Cercado por viadutos, Parque Dom Pedro II é um dos pontos mais mal iluminados e perigosos do centro

 

O novo projeto que tenta integrar o Parque Dom Pedro II, o Mercado Municipal e o futuro Senac, iniciado na gestão Gilberto Kassab (PSD), tenta recuperar uma área que sofre com o abandono há mais de sete décadas. Inaugurado em 1922 como a principal área de lazer da cidade, projetado pelo francês Joseph-Antoine Bouvard (1840- 1920), o parque permanece como a área do centro mais esquecida pelo poder público desde o início da década de 1950. Os assaltos na região são diários.

A partir de 1945, quando as autoridades passaram a promover obras populistas, como a construção de viadutos, o Parque D. Pedro II foi deixado de escanteio nas ações do governo municipal. Projetos recentes apresentados na gestões de Luiza Erundina (1989-1992) e de Marta Suplicy (2001-2004), por exemplo, não saíram do papel. Erundina queria demolir os viadutos que cobrem o parque e Marta queria levar moradias populares para revitalizar a região.

Hoje praticamente não existem moradores nas ruas no entorno do parque. Um esvaziamento que teve início no século 20, com a migração dos mais ricos que moravam na região da Praça do Patriarca para o outro lado do Viaduto do Chá, e depois para bairros como Campos Elísios e Higienópolis.

Naquela época o Parque D. Pedro II passou a ser o divisor de águas entre a pujança da parte nobre da capital e a zona leste, considerada “a cidade dos trabalhadores”. O afastamento da elite do centro foi proporcional à degradação da região. Os projetos para tentar criar conjuntos de moradias populares.