Matarazzo sai em defesa da ‘elite’ e diz que Haddad fez ‘autocrítica’
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Matarazzo sai em defesa da ‘elite’ e diz que Haddad fez ‘autocrítica’

Diego Zanchetta

12 Fevereiro 2014 | 15h32

O vereador Andrea Matarazzo (PSDB) saiu em defesa da “elite paulista” criticada ontem pelo prefeito Fernando Haddad (PT) na sessão iniciada hoje, por volta das 15h10, na Câmara Municipal. Matarazzo diz que “graças à elite econômica da cidade e que paga impostos São Paulo tem orçamento de mais de R$ 40 bilhões por ano” e afirmou que o prefeito faz parte de todas as elites paulistanas.

Na terça-feira, Haddad declarou que a elite paulista é “míope” e “pobre de espírito” ao reagir contra iniciativas como os corredores de ônibus e a intervenção da Prefeitura na região da cracolândia. Outros vereadores reagiram contra o prefeito, como Ricardo Young (PPS) e Adilson Amadeu (PTB), que foi de óculos escuros para sair em defesa da “elite míope”, segundo disse ao blog.

“O prefeito só pode estar fazendo autocrítica, porque ele faz parte de todas as elites da cidade”, afirmou Matarazzo. lembrando que o prefeito é filho de comerciantes da Rua 25 de Março, mora no Paraíso, na zona oeste, e se formou no Largo de São Francisco. “O discurso do Matarazzo é muito oportuno. Esse tipo de discussão não pode caminhar para a disputa ideológica”, afirmou Young.

A discussão causou o confronto entre tucanos e petistas. Líder de governo, Arselino Tatto (PT) voltou a acusar a elite paulistana de ser míope. “Essa elite míope que impediu que o governo abaixasse o IPTU dos mais pobres”, disparou Tatto.

ENTREVISTA

Em entrevista publicada ontem pela BBC Brasil, o prefeito afirmou que a elite paulistana é “míope” e “pobre de espírito”. O prefeito declarou que a elite de São Paulo é “muito conservadora, a começar pelos meios de comunicação”. Ele citou a movimentação contrária da sociedade na sua tentativa de renegociar a dívida da cidade, hoje em quase R$ 50 bilhões.

“Hoje infelizmente nós temos um poder econômico amesquinhado e empobrecido do ponto de vista espiritual, mas muito rico do ponto de vista material”, afirmou Haddad. “(Temos) uma elite míope, fazendo carga no Congresso para não votar a renegociação da dívida. (Temos) dezenas de editoriais nos jornais contra a renegociação.”

 

Matarazzo critica Haddad e sai em defesa da elite paulistana: “o prefeito faz parte de todas as elites da cidade. Só pode estar fazendo autocrítica.”