Engenheiro assume SPTuris e promete ampliar carnaval de rua
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Engenheiro assume SPTuris e promete ampliar carnaval de rua

Diego Zanchetta

03 Março 2014 | 18h29

COM BARBARA SANTOS E MARINA AZAREDO

O prefeito Fernando Haddad (PT) nomeou o engenheiro Wilson Martins Poit, presidente da São Paulo Negócios, para os cargos de secretário especial do Turismo e presidente da São Paulo Turismo (SPTuris). Com o desafio de preparar a cidade para receber a abertura da Copa do Mundo, Poit assume no lugar de Marcelo Rehder, que deixa o único espaço no governo que ainda era ocupado por um aliado do ex-prefeito Gilberto Kassab (PSD).

O engenheiro que assume a SPTuris, responsável por organizar o carnaval paulistano e 26 feiras de negócios por ano realizadas no Anhembi, foi fundador da Poit Energia, empresa líder do mercado brasileiro de locação de geradores de pequeno e médio portes. A empresa foi vendida em 2012.

Nomeado oficialmente para o cargo no sábado de carnaval, Poit viu os últimos três dias de desfiles no Anhembi e ajudou a organizar diretamente o evento. Em todos os dias chegou ao sambódromo às 18 horas e saiu depois das 10 horas da manhã.

Mas ele parece empolgado mesmo com o carnaval de rua paulistano, que neste ano teve mais de 200 blocos – o dobro de 2013. “O Carnaval deste ano foi muito bom, com desfiles grandiosos e muita dedicação, tanto das escolas, como da Prefeitura. Um dos destaques deste ano foi o crescimento do Carnaval de rua, no qual vamos investir muito nos próximos anos”, afirmou o presidente da SPTuris.

“No sambódromo, estamos estudando também algumas novidades para o ano que vem, mas que ainda estão em fase de estudo. Nosso objetivo é ter um planejamento estratégico mais forte e antecipado, melhorando a organização e buscando patrocínios, tanto para o sambódromo como para o carnaval de rua”, acrescentou Poit.

Saída. Com a saída do último kassabista do governo do PT, o ex-prefeito vai ter liberdade para fazer críticas à atual gestão de Haddad durante sua campanha a governador. Mesmo alinhado com a reeleição da presidente Dilma Rousseff, o ex-prefeito pretende “bater” no governo petista para defender suas bandeiras abandonadas pelo atual chefe do Executivo, como a redução do combate aos camelôs e o fim do projeto de um novo túnel para interligar a Avenida Roberto Marinho com a Rodovia dos Imigrantes – a obra de R$ 3 bilhões criaria um caminho alternativo à Avenida dos Bandeirantes para o paulistano que vai às praias do litoral sul.

A crise da atual gestão com Kassab começou em outubro, quando sete dos oito vereadores do PSD votaram contra o aumento do IPTU. No dia seguinte à votação, foi deflagrada a megaoperação que acabou na prisão de quatro servidores – três dos quais tiveram cargos de confiança na gestão Kassab. Antes desses dois fatos, era dado como certo que o vereador Marco Aurélio Cunha (PSD) assumiria como secretário Especial do Turismo. Haddad chegou a elogiar em 2012 o “espírito republicano” de Kassab, durante a transição dos governos.

A forma como Haddad não poupou os nomes ligados à gestão anterior no escândalo da máfia do ISS, porém, enfureceu Kassab e seus principais aliados. A cúpula do PSD avaliou em dezembro que não ficaria mais na Prefeitura. Na Câmara Municipal, a oposição do PSD ao governo Haddad já vem sendo feita pelo ex-presidente da Casa e líder do partido, vereador José Police Neto (PSD).

A partir do início da campanha, em abril, Kassab deve mirar críticas ao governo de Haddad, inclusive nas inserções reservadas para o PSD na TV, antes do início do horário eleitoral.

Wilson Poit, que assumiu a SPTuris: objetivo é ampliar o carnaval de rua paulistano em 2015

 

Mais conteúdo sobre:

carnavalHaddadKassabSPTuris