Câmara livra policiais e delegados do rodízio de veículos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Câmara livra policiais e delegados do rodízio de veículos

Diego Zanchetta

12 Dezembro 2013 | 18h47

Em votação simbólica com menos de 10 dos 55 parlamentares no plenário, a Câmara Municipal aprovou, em segunda e definitiva votação, a exclusão de profissionais da área de segurança (delegados, investigadores, PMs, bombeiros, escrivães, agentes da PF, etc) do rodízio municipal de veículos. Por turno, cerca de 5.000 PMs e policiais civis usam o carro para ir trabalhar, segundo projeção feita no projeto.

É a segunda categoria que consegue a exclusão do rodízio, em vigor na capital paulista desde 1997. Os médicos conseguiram a mesma anistia em 1998. Depois os advogados também receberam a anistia em 2008, mas o então prefeito Gilberto Kassab (PSD) vetou. A tendência agora é de que o prefeito Fernando Haddad (PT) também vete o benefício aos profissionais da segurança.

“Os profissionais de segurança desempenham uma função essencial e muitas vezes são chamados ao serviço fora do horário de trabalho. Muitos policiais precisam fazer turnos de 24 horas, fora da programação rotineira, e depois não podem deixar o quartel por causa do rodízio”, argumentou o Coronel Camilo (PSD), autor do projeto em conjunto com o vereador Marco Aurélio Cunha (PSD). “Temos um precedente que são os médicos, que também desempenham função primordial. Mas acho que os policiais também desempenham um trabalho que merece esse benefício.”

Ricardo Young, líder do PPS, e Toninho Vespoli (PSOL), foram os únicos parlamentares que votaram contrários. No momento da votação simbólica, por volta das 18h30, a maior parte dos vereadores estava reunida em uma sala anexa ao plenário para discutir a composição da nova Mesa Diretora que será eleita no domingo – o presidente José Américo (PT) será reeleito, mas ainda falta compor os cargos de vice-presidente, que vai ficar com o PSD, e de primeiro-secretário, reservado ao PSDB.

“Sou contra qualquer flexibilização no rodízio de veículos. Por isso votei contra”, argumentou Young.

 

Momento da votação do projeto que excluiu PMs do rodízio de veículos, por volta das 18h30: plenário vazio e votação apenas simbólica