São Paulo, longa busca pela vida em comum
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

São Paulo, longa busca pela vida em comum

Pablo Pereira

14 Março 2010 | 17h27

Aventura Urbana

São Paulo, longa busca pela vida em comum

Quando o grego Hipódamos, cinco séculos antes de Cristo, desenhou o modelo de cidade que ainda rege o urbanismo ocidental, talvez pensasse em montar um sistema para resolver a complicada vida humana em comunidade. Àquela época, o mundo já experimentava a convivência multifamiliar havia oito milênios. Diz a arqueologia que tudo começou no Neolítico. Jericó, na área do Rio Jordão, é o marco mais remoto de um tempo difícil de imaginar: 10 mil anos.

O viver em cidades, então, é opção já bem conhecida. Mas ainda hoje segue regra de antanho: a busca de conforto em ambiente carregado de interesses e conflitos. São Paulo, novata de tudo entre as maiores cidades (deu um salto gigante, passando de vila colonial a metrópole em 150 anos), é terra da boa para se acompanhar essas expectativas de vizinhança. As lições desse modo de vida, que por aqui dormitou com jesuítas e nativos no Pátio do Colégio por 3 séculos, podem ser aprendidas em cartas e documentos oficiais. Na arquitetura, quase tudo foi perdido, como a igreja (abaixo) reproduzida do livro São Paulo de Outrora, demolida em 1888. Para tratar do tema nasceu, em outubro, no site Estadão.com.br, a ideia de contar histórias de São Paulo. Mas sempre olhando o espaço urbano na perspectiva do arquiteto de Mileto – inventor das quadras e das ruas de 7,5 metros de largura -, ou seja, perseguindo uma vida melhor.

Acredita esta coluna estreante – assim como seu irmão digital, o Blog da Garoa – que hoje a colossal mancha urbana do planalto paulista, nascida na solidão da colônia, tem sim muito a oferecer em oportunidades e aconchego para a fascinante aventura humana em cidades.

 

Igreja da Misericórdia, demolida em 1888/Reprodução

Igreja da Misericórdia, demolida em 1888/Reprodução

(

)

Post atualizado em 16/03 com publicação da foto de imagem publicada no livro São Paulo de Outrora, da Igreja da Misericórdia, após recomendação de Antero Greco.