As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Estudo Seade mostra o aumento de mortes de idosos na pandemia

Pablo Pereira

08 de dezembro de 2021 | 12h10

Um estudo da Fundação Seade mostra dados, até esperados, em razão do que foi observado na pandemia, mas que não deixam de ser impressionantes: a taxa de mortes entre idosos, pessoas com 60 anos ou mais, que vinha caindo no Estado de São Paulo, voltou a subir. Passou de 33,5 mortes por mil habitantes em 2019 para 37,1 óbitos por mil em 2020 – o primeiro ano do coronavírus. São os frios números da estatística medindo e confirmando o drama vivido pelas famílias com as perdas do ano passado, cerca de 4 pontos percentuais acima do ano anterior.

De acordo com os dados, a conta, que habitualmente mostra mesmo a morte de mais homens do que mulheres nessa faixa de idade, desta vez, em 2020, foi muito pesada.

Em 2019,  morriam 38,5 homens por mil, enquanto a taxa feminina era de 29,6 mulheres por mil. Mas a pandemia bombou as mortes entre os sessentões e seus “colegas” de mais idade. A mortalidade masculina nessa faixa da população paulista pulou, em 2020, para 43,6 por mil, enquanto a taxa feminina chegou a 32,1 por mil.

Veja a curva aqui

Por regiões: 

De acordo com a Fundação, em 2020, as taxas mais elevadas foram verificadas na Região Metropolitana da Baixada Santista (42,5 por mil) e nas regiões de São José do Rio Preto (40,5 por mil), Barretos (39,6 por mil), Registro (39,5 por mil) e Itapeva (39,2 por mil).

As menores taxas ocorreram nas regiões de São José dos Campos (34,5 por mil) e Campinas (34,9 por mil). A Região Metropolitana de São Paulo, que exibia a menor taxa de mortalidade em 2019 (32,3 por mil), passou para a oitava posição relativa em 2020 (37,2 por mil).

 

Tudo o que sabemos sobre:

pandemiamortes São Paulo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.