As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cientista da FGV diz que coronavírus está “em fase de estabilização”

Pablo Pereira

02 de março de 2020 | 18h28

O epidemiologista Claudio José Struchiner, professor da Fundação Getúlio Vargas (FGV), doutor em Dinâmica Populacional de Doenças Infecciosas pela Universidade de Harvard (EUA), disse nesta segunda-feira, 2, que a epidemia de coronavírus, que atualmente assusta o mundo, “está em fase de estabilização, inclusive, na China”.

Em entrevista ao site da FGV, o cientista explica que o índice de “contagiosidade” do vírus mostra que a situação neste momento é de “controle e estabilização”. O índice do coronavírus, pela medida que indica a transmissão de doença de um humano a outro, está hoje em torno de 2,5. Doenças como a rubéola, ensina Struchiner, chegam ao nível 10. No caso da malária, moléstia de alta capacidade de contaminação, é da ordem de mil, ou seja, uma pessoa contamina outras mil pessoas. Veja a entrevista:

Atualização. Comentando os dados das últimas duas semanas, Claudio Struchiner contou ao Blog nesta terça-feira, 3, que a onda internacional de gripe por contaminação do novo coronavírus (Covid-19) se mantém em estabilização. O cientista explicou que a crise perdeu força na China depois de uma curva de crescimento explosiva, entre 20 de janeiro (278 casos) a 20 de fevereiro (75 mil). Desde a última semana de fevereiro, porém, a curva da doença aponta para uma estabilização, chegando nesta terça-feira a 80,2 mil casos. Ele alertou que o aparecimento de novos casos está ocorrendo com velocidade mais lenta. No resto do mundo, segundo dados da Universidade Johns Hopkins, que monitora a evolução da gripe, a incidência era de mil casos em 18 de fevereiro; hoje são 12,7 mil. Veja o gráfico.

(Atualização: Entrevista ao site da FGV foi gravada no dia 20/02 e divulgada no dia 2/3)

 

 

Tudo o que sabemos sobre:

coronavírusFGVStruchiner

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.