Cantos e cartas de lusos e paulistanos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Cantos e cartas de lusos e paulistanos

Pablo Pereira

26 de julho de 2010 | 08h43

Há anos, viajando no interior de Portugal, encontrei no ambiente da fria Serra da Estrela um cenário de pequenas propriedades, com gente do campo vivendo em sítios cercados por muros de pedras. A bucólica paisagem pedrenta da bela região da Beira, que tem um parque nacional, levou-me a pensar nas dificuldades encontradas pelos desbravadores portugueses que aqui, no quinhentista planalto paulista, sem a abundância das pedras, tiveram de recorrer ao barro e às varas para erguer muros e paredes – na hoje escassa, porém famosa, engenharia da taipa.

Aquela São Paulo aparece em diversas obras literárias, ensaios, pesquisas, pinturas ensinando como um punhado de aventureiros d’além-mar criou do nada as bases da metrópole.

O Brasil não era Brasil e Portugal já tinha fronteira consolidada. Camões escrevia os cantos de seus Os Lusíadas mais ou menos nos mesmos dias, aí pelos 1550/70, nos quais Anchieta, por aqui, redigia suas cartas – que podem ser vistas no Mosteiro de São Bento. Pouco restou desse lastro português. Mas a São Paulo moderna soube conservar parte da gente ibérica, presente hoje menos na arquitetura e mais nos hábitos e costumes.

Semana passada, “viajei” novamente a Coimbra e região, desta vez pelas páginas de 90 anos do Clube Português, de São Paulo, livro lançado na sexta-feira. E encontrei lá diversas pistas da herança portuguesa na cidade. O clube, que tem rico acervo, foi fundado em 14 de julho de 1920, em Perdizes. Um almoço na Casa de Portugal, que fica na Av. Liberdade, 602, também comemorou o lançamento do livro. A Casa de Portugal  reúne acervo sobre a presença portuguesa.

O livro sobre o Clube conta histórias de ancestrais dos Ermírio de Moraes, e de outros luso-paulistanos, como o arquiteto Ricardo Severo (1869-1940). Nascido em Lisboa, criado no Porto, mas que morreu em São Paulo.

“Queremos restaurar o clube”, diz o advogado José de Oliveira Magalhães vice-presidente da entidade, ele próprio “um brasileiro nascido em Portugal”. Magalhães é de Cabeceiras de Basto, Braga.

Reprodução de capa de obra do acervo do Clube Português

Reprodução de capa de obra do acervo do Clube Português

.

 

.

Retrato de Camões, óleo de A. Neves e Souza, do acervo do Clube

Retrato de Camões, óleo de A. Neves e Souza, do acervo do Clube

.(Texto publicado em O Estado de S.Paulo)

.(Texto corrigido e ampliado no blog em 28/07).

Mais conteúdo sobre:

PortugalportuguêsSão Paulo