Abastecer o carro está mais barato – no Canadá
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Abastecer o carro está mais barato – no Canadá

Pablo Pereira

01 Fevereiro 2016 | 22h24

Visitar o Canadá nestes dias de férias brasileiras é uma delícia.Vancouver tem uma região metropolitana formada por municípios como Burnaby, Surrey, Richmond, North Van, West Van. Nesta época, quando paulistanos enfrentam noites de 30 graus, os vancouverites vivem dias de friozinho em torno de 3 a 9 graus centígrados, coisa que no Brasil é normal na serra gaúcha ou Campos somente lá na temporada de junho/julho. Dentro da cidade há montanhas geladas com parques nevados , Cypress, Seymour e Grouse, prontinhos para a prática do ski e snowboard.

Na parte baixa de Vancouver, nível do mar, chove bastante, principalmente à noite e pela manhã. E a temperatura é mais amena. Nesta última semana de janeiro, do meio da tarde em diante o céu abriu e teve até sol enfeitando os maravilhosos cenários de montanhas verdes, de topos brancos, iluminadas pelo dourado.

Jardim

A British Columbia é tudo de bom. Fica no lado oeste do Canadá. O horário atual tem 6 horas de diferença para menos em relação a São Paulo. E a viagem consome mais ou menos umas 18 ou 20 horas de avião, com escalas nos EUA, por exemplo, em Los Angeles, Houston, Dallas ou Chicago. Há também o caminho por Toronto, lá na costa leste, atravessando o país.

O Canadá vive dias de expectativa com seu novo governo, o dos Liberais, que em novembro tomou posse sob comando do jovem primeiro ministro Justin Trudeau. A expectativa por aqui é que, a partir de abril, quando o governo federal realmente começa a governar pois estará executando um orçamento próprio, a economia inicie um ciclo de crescimento muito esperado.

Nos últimos anos, sob comando dos conservadores de Stephen Harper a vida não esteve tão fácil, claro, sempre observando os padrões canadenses de viver. Rolou por aqui uma estagnação em 2015.

A prova que houve um retrocesso no país é que nas eleições de outubro o povo mudou tudo, deu uma lavada no poder nas urnas e trocou o comando do país de ponta a ponta para oferecer a maioria parlamentar folgada ao novo premiê. Trudeau assumiu com discurso que muitos por aqui chamam de populista, mas como ainda está coberto pelo manto renovado da vontade do eleitor, vai tocando amparado pelo prestígio dos recém-eleitos.

O Canadá tem 35 milhões de habitantes, quase 10 milhões menos do que o Estado de São Paulo. Mas tem a segunda maior área nacional, só perdendo para a Rússia. É uma enormidade desabitada, o que faz com que seja uma das nações atualmente mais abertas à imigração por absoluta necessidade de povoar seu território imenso. A meta nacional é a de permitir a migração de mais de 350 mil estrangeiros por ano.

Este é um país com uma poderosa classe média. Em 2011, a renda per capita era de 40 mil dólares americanos. Em 2014 esse valor subiu para  a faixa dos 51 mil dólares americanos. Um belo salto.

Eles vivem reclamando que a moradia está muito cara, é certo. Mas seguramente é porque não conhecem a realidade do preço do metro quadrado construído de São Paulo. Com o mesmo dinheiro gasto em um apartamento médio na capital paulista, obviamente que sem levar em conta essa doideira do câmbio atual no Brasil, moeda contra moeda, compra-se  uma bela casa em Vancouver.

Modelo de transportes públicos integrados, Vancouver têm uma passagem de 2,75 dólares canadenses (CAD) e um sistema que permite ao usuário viajar por duas horas com o mesmo tíquete. Os aluguéis também não são exorbitantes. Por causa de uma alta na demanda na cidade, com uma chegada em massa de jovens da Ásia em busca da qualidade das universidades canadenses, houve uma alta nos preços. Mas é possível morar em zona nobre em um apartamento de dois quartos, sala, cozinha e banheiro por 1.300 dólares mensais.

Sabe o que pega mesmo? São os serviços domésticos. Como por aqui as famílias têm por hábito cuidar da própria casa, sem as tão comuns empregadas disponíveis no Brasil, quem não estiver disposto a encarar faxina vai penar – ou gastar – bastante. Lavanderia, cada prédio tem a sua. E o morador usa comunitariamente o espaço pagando nas máquinas com moedas de um dólar por lavagem e secagem.

Por todo lado há um evidente respeito e preocupação com o outro. Cidadania. Não somente na rua, no trânsito, mas principalmente em casa. Essa preocupação com a convivência sustentável criou hábitos como o de não entrar em casa com o calçado usado na rua.

Em casa canadense tira-se os sapatos logo na entrada. É deselegante também caminhar com seus saltos fazendo barulho no assoalho, já que os prédios são construídos com paredes e pisos de madeira.

E olhem a surpresinha lá do título: a gasolina costuma baixar de preço na bomba quando o petróleo cai no mercado internacional. Quem abastecia o carro pagando CAD 1,26 em outubro hoje enche o tanque com o litro a CAD 1,06.

.

 

Mais conteúdo sobre:

CanadáSão PauloVancouver