Três cenas, uma história
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Três cenas, uma história

Pablo Pereira

22 de dezembro de 2009 | 15h32

Independência ou Morte, por Pedro Américo em 1888

"Independência ou Morte", por Pedro Américo, em 1888

Vista do Ipiranga, lugar onde foi proclamada a Independência do Brasil (em São Paulo, por Miguel Dutra, 1847)

"Vista do Ipiranga, lugar onde foi proclamada a Independência do Brasil (em São Paulo)", por Miguel Dutra, 1847

Vista de Peranza, lugar onde o atual imperador Dom Pedro ou o então príncipe regente declarou a Independência do Brasil, por Edmund Pink, 1823

"Vista de Peranza (sic), lugar onde o atual imperador Dom Pedro ou o então príncipe regente declarou a Independência do Brasil", por Edmund Pink, 1823

Essas três maravilhas, o óleo de Pedro Américo,  e as duas aquarelas, a de Miguel Dutra, e a de Edmund Pink, formam um conjunto de imagens que toda criança brasileira deveria conhecer muito bem. Não só pela beleza das obras, mas pelo que elas, em conjunto, representam.

A mais antiga, de Pink, foi pintada um ano após a independência ser gritada no Ipiranga. É do acervo de artes da Bovespa.

A segunda, de Dutra,  criada 24 anos mais tarde, em 1847, já mostra o marco comemorativo. E é do acervo do Museu Republicano de Itu, da USP.

E a mais conhecida, de Pedro Américo, do acervo do Museu Paulista, USP, riquíssima em detalhes e movimento, pintada em 1888, já no ocaso da monarquia, dá o tom épico ao famoso grito de D. Pedro 1º.

Podem ser apreciadas nos respectivos acervos, mas suas reproduções podem também ser admiradas no livro de Pedro Corrêa do Lago, Iconografia Paulistana do Século 19, editado pela Capivara, que comprei na livraria do Arquivo do Estado.

São três visões do mesmo cenário paulistano, no Ipiranga, construídas por observadores dotados de grande talento descritivo em momentos diferentes da vida brasileira.


Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: