Centro de assistência social gera problemas e queixas no Belenzinho
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Centro de assistência social gera problemas e queixas no Belenzinho

Marcel Naves

08 Agosto 2016 | 15h22

Com barracas moradores de rua interditam a calçada da rua Cajuru, no Belenzinho.

Moradores de rua interditam a calçada  no bairro do  Belenzinho, em frente ao POP Mooca.

Na rua Cajuru, no bairro do Belenzinho, na zona leste, uma iniciativa que deveria representar uma importante ajuda em uma grave questão social virou um problema. No local a existência do POP Mooca, centro especializado de assistência social para a população de rua, tem motivado diversas reclamações. As calçadas estão tomadas por barracas e o lixo (restos de comida, garrafas e até madeira utilizada em fogueiras), está por toda a parte.

O consumo bem como a venda de drogas acontece a qualquer hora do dia ou da noite. O registro de brigas em virtude do excesso no consumo de bebidas alcoólicas é constante. A abordagem dos moradores de rua a quem passa pelo local ou frequenta os bares e restaurantes também tem provocado enorme desconforto.

A moradora Gislaine Zorzin Gerin reside há cerca de 5 anos no Belenzinho e afirma que a situação ficou insuportável de um ano pra cá. Segundo ela, transitar pelas calçadas fica praticamente impossível. “A gente quase não consegue andar de tanta barraca montada que existe e de tanto lixo. E também a gente fica com muito medo, pois geralmente eles estão drogados”, diz.

Um comerciante que não quis se identificar por temer represálias diz que a falta de segurança é critica. Para ele, o problema está nos criminosos que frequentam a rua e acabam se misturando aos desabrigados. “A todo momento temos o registro de assaltos  e muitas brigas. Ontem, o regate veio buscar um rapaz que foi esfaqueado por causa de drogas”, diz.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo ressaltou que o POP Mooca atende a população em situação de rua oferecendo alimentação e apoio assistencial. A administração afirma que a limpeza é feita regularmente e que possíveis irregularidades serão corrigidas oportunamente.

A Polícia Militar não se manifestou a respeito das denúncias sobre roubos e consumo de drogas.

Confira abaixo a íntegra da nota encaminhada pela PMSP:

“Assistência Social

 A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) informa que o centro POP da Mooca funciona desde novembro de 2015. Esses espaços ofertam serviços especializados e continuados a famílias e indivíduos nas diversas situações de violação de direitos na perspectiva de potencializar e fortalecer sua função protetiva. Alimentação e atendimento socioassistencial são alguns dos atendimentos oferecidos. Cabe ressaltar, no entanto, que todos os serviços ofertados pela SMADS são de aceitação facultativa.

Decreto 57.069

De acordo com o Decreto Municipal 57.069, os agentes ambientais não estão autorizados a remover instrumentos de trabalho, como carroças, material de reciclagem, ferramentas e demais materiais. Já os moradores possuem a garantia de manter itens portáteis de sobrevivência, inclusive papelões, colchões, colchonetes, cobertores, mantas, travesseiros, lençóis e até barracas desmontáveis.

Zeladoria

A Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb) informa que a varrição no local é feita diariamente pela manhã. A empresa responsável pela instalação e manutenção de papeleiras fará um levantamento das necessidades de reposição, caso tenha ocorrido vandalismo no local”.

Ouça aqui a reportagem: