As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O Ipiranga entre árvores e lixo

Marcel Naves

19 Maio 2016 | 19h57

 

Os problemas do bairro do Ipiranga vão muito além do fechamento do Museu que popularmente leva o nome do bairro, e de um dos mais importantes cartões postais da cidade. O local fechado em 2013 para reformas deve ser reaberto somente em meados de 2022. Circulando por ruas e avenidas da região, que ainda abriga sobradões centenários, é possível notar uma situação preocupante. São carros abandonados, pilhas de entulho e árvores que ameaçam cair ou são arrancadas provocando um imenso transtorno.

Na rua Cipriano Barata, a moradora Vanessa Krunfli teve sua árvore cortada após a constatação de técnicos da prefeitura de que a mesma estava condenada. Dias depois, o que sobrou também foi removido, mas nada foi plantado no local. “Eu não sabia que a raiz teria de ser tirada, aí plantei no lugar uma outra árvore, mas quando a prefeitura retornou arrancou tudo, ficando apenas o buraco”, disse a moradora.

Em um prédio em frente, após a queda de parte de uma grande árvore a prefeitura também teve de providenciar a remoção. Neste caso a quebra da calçada foi inevitável, e o piso acabou por ser danificado. Os custos para o novo calçamento ficaram a cargo dos condôminos.

Outra situação que atormenta os moradores do local diz respeito à quanidade de carros abandonados. Um deles se encontra há meses na Rua José Francisco de Araújo, quase em frente a um Posto médico municipal. O carro, no entanto, é apenas parte de uma estatistica de três a quatro carros que são recolhidos diariamente pela subprefeitura do Ipiranga.

Todavia uma das questões que mais denota atenção das autoridades diz respeito ao descarte irregular de entulho. A prática crimominosa é feita durante a madrugada, o que a torna quase impossível de ser fiscalizada. O descarte de restos de obras e móveis velhos ocorre quase sempre nos chamados pontos viciados, quase sempre em ruas próximas ou que terminam em grandes avenidas como a do Estado ou Juntas Provisórias.

A subprefeita do Ipiranga diz ter ciência dos problemas, e reconhece a dificuldade para resolvê-los.  Edna Diva Miani está há apenas 06 meses no cargo mas cita ações positivas, que segundo ela começaram a surtir resultados. Uma delas diz respeito a PIMA – Plano Intensivo de Manejo Arbóreo. Uma iniciativa que segundo ela respondeu entre setembro a dezembro e 2015 por 264 podas, 70 remoções e 1721 vistorias. “De janeiro a maio apenas 23 árvores cairam na região, e isto é um ótimo resultado, se analisar-mos que em 2105 este mesmo número chegou a 170 árvores”, disse.

Agenda. Amanhã, a Blitz da Rádio Estadão marca presença na Praça Harmonia dos Sentidos, na Vila Madalena.