Em Santo André, moradores em situação irregular cobram escrituras e melhorias
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em Santo André, moradores em situação irregular cobram escrituras e melhorias

Marcel Naves

24 de novembro de 2016 | 19h15

Em Santo André, mesmo sem a documentação legal, obras seguem sem qualquer fiscalização.

Em Santo André, no Pq. Miami, mesmo estando em situação irregular obras são realizadas  sem qualquer fiscalização

Na Rua Rio Candeias, no Parque Miami, em Santo André, no ABC paulista, a ocupação irregular tem sido um grave problema. Os moradores pagam os impostos e contam com água, luz e saneamento básico.

Apesar disto, a maioria dos imóveis da região está em situação irregular. Os proprietários dizem que possuem os contratos de compra e venda, além dos recibos de IPTU, mas não possuem a escritura. O aposentado Sidnei Freu afirma que há décadas tenta obter a documentação. “Se aqui é área de manancial, então por que venderam pra gente? E por que não param de construir? A gente só tem promessa e nada mais”, afirma.

O bairro está em uma área de manancial, situada entre a represa Billings e o Parque Municipal do Pedroso. A localização tem sido apontada como o principal impeditivo para regularização dos terrenos. Uma questão que se arrasta há alguns anos e causa uma infinidade de  transtornos, principalmente para quem precisa realizar alguma melhoria.

Sem a respectiva escritura, melhorias como a instalação de um simples hidrômetro não pode ser feita.

Sem a respectiva escritura, melhorias como a instalação de uma simples  caixa de força, não pode ser feita

Outra reclamação recorrente é quanto a falta de energia elétrica. Os moradores dizem ser constantes os prejuízo com os eletrodomésticos.  Frank Orlando da Silva, por exemplo, teve vários eletrodomésticos queimados. “Ontem mesmo faltou força e quando voltou queimou a televisão, a geladeira e o videogame”, diz.

A reportagem da Rádio Estadão entrou em contato com a prefeitura de Santo André, no ABC paulista, que não retornou às solicitações. A AES Eletropaulo também foi procurada, mas igualmente não se manifestou até o fechamento desta matéria.

Ouça aqui a reportagem