Há dez anos moradores pedem retirada de tanque abandonado
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Há dez anos moradores pedem retirada de tanque abandonado

Marcel Naves

19 Julho 2016 | 18h06

Prefeitura de Santo André alega não ter como retirar tanque abandonado em terreno baldio.

Prefeitura de Santo André, no ABC,  alega não ter como retirar tanque abandonado em terreno baldio.

Um tanque com produtos químicos se encontra abandonado na av. Cândido Camargo, no jardim Ana Maria, em Santo André há uma década. O reservatório que já sofreu com vários incêndios ainda possui piche em seu interior. O risco existente não afasta moradores de rua e dependentes químicos, que utilizam o local como abrigo e para o consumo de drogas.

O terreno é frequentemente utilizado por transportadoras de caçambas. São caminhões de grande porte que ocupam irregularmente a área criando uma série de problemas. Os moradores afirmam que as casas chegam a trepidar com a movimentação. O descarte de entulho ocorre a qualquer hora, apesar de algumas placas no local alertarem que tal prática é crime.

A existência de um córrego ajuda a piorar as coisas ainda mais. O local está tomado pelo mato e a quantidade de lixo existente, como carcaças de animais e restos de comida, colabora com o mal cheiro, e a proliferação de ratos e pernilongos. Reclamações dão conta de que há pelo menos 20 anos a prefeitura tem conhecimento da situação, mas não faz nada a respeito.

O aposentado Lourenço Ferro dos Santos reside há pelo menos 30 anos em uma casa térrea em frente ao terreno. Ele relata que o problema tem ficado cada vez pior, principalmente com as invasões. ” A gente só vê o problema crescer e ninguém resolve nada, a não ser os candidatos a vereador que sempre estão atrás de voto”, desabafa.

Dona Maria Raimunda reside na região há pelo menos quatro décadas, e, segundo ela, o abandono nunca foi tão grande. Sua preocupação também diz respeito a ocupação irregular. “Olha, primeiro foi a ocupação do tanque e agora nos últimos dias mais pessoas estão chegando, e a gente vê que a coisa está perdendo o controle”, relata.

Procurada, a Prefeitura de Santo André ressaltou que tem atuado de várias maneiras para garantir a limpeza do terreno. Quanto ao córrego informou que o mesmo é limpo periodicamente e que inclusive já existem ações programadas para os próximos dias. Quanto ao tanque a prefeitura salientou que até o momento ainda não encontrou uma maneira de retirá-lo, apesar das inúmeras tentativas.

Leia abaixo a íntegra da nota emitida pela prefeitura de Santo André:

“A Prefeitura de Santo André, por meio do Semasa (Serviço Municipal de Saneamento Ambiental de Santo André) tem atuado em várias frentes. Uma delas é a ampliação do horário de atendimento de suas estações de coleta. Hoje, das 18 estações, 11 funcionam em horário estendido, das 8h às 19h, de domingo a domingo, inclusive feriados. A medida permite que o morador tenha mais facilidade e alternativas de horários e dias para utilizar o serviço. Ele pode levar ao local até 1m³ de resíduos, o que corresponde a 10 sacos de lixo de 100 litros.

Outra ação é a Operação Obra Limpa, iniciativa do Consórcio Intermunicipal Grande ABC em parceria com as prefeituras da região, que certifica empresas regulares que coletam com caçambas restos de construções e fazem o descarte corretamente. A lista das empresas certificadas em Santo André está no site do Semasa (www.semasa.sp.gov.br).

O Semasa também tem atuado com a comunidade do entorno na recuperação desses pontos, estimulando após a limpeza ações para evitar novos descartes. Entre as ações, estão pequenas obras de paisagismo, com a reconstrução de calçadas e plantio de árvores (como aconteceu na rua das Minas, no Sítio dos Vianas) e também a instalação de bloqueios para impedir a passagem de veículos que fazem o despejo irregular, como foi feito na região da Vila Palmares (fotos do antes e do depois dos dois exemplos em anexo).

O trecho do córrego é um afluente do Ribeirão Oratório, onde foram realizados os serviços de capina/roçada nos meses de fevereiro e junho/2016. As próximas intervenções estão previstas para outubro e dezembro/2016. Já a última limpeza do terreno, que é um ponto de descarte irregular monitorado pelo Semasa, foi realizada nos dias 07 e 08/07/2016. O local é limpo a cada 15 dias. Só neste ano, o Semasa removeu 296 toneladas de resíduos deste local, o que corresponde a 72 caminhões cheios.

Em relação ao tanque abandonado no local, o Semasa informa que o mesmo não possui vazamento e não apresenta risco ambiental. A autarquia realiza o monitoramento constante do compartimento. A Prefeitura esclarece que já realizou diversas tentativas para a remoção deste tanque, que tem massa asfáltica solidificada. Dentre as ações, uma ação conjunta envolvendo o proprietário, o Departamento de Trânsito da Prefeitura, os Bombeiros e o Departamento de Gestão Ambiental do Semasa tentaram a remoção com o uso de quatro guinchos, sem sucesso. Além disso, disponibilizou a carcaça para leilão, não apresentando nenhum interessado. A Prefeitura busca outras alternativas para a remoção deste tanque.

A Guarda Civil Municipal, por sua vez, informa que mantém patrulhamento no local, bem como atendemos imediatamente quando são acionados. Por algumas vezes foram identificados usuários de entorpecentes no local, porém nenhuma ocorrência de tráfico foi ali identificada. Quando abordados os usuários recebem os encaminhamentos legais e sociais pertinentes”.