Em Moema moradores denunciam o uso irregular de postes
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em Moema moradores denunciam o uso irregular de postes

Marcel Naves

04 Julho 2016 | 20h33

Fios dispostos de maneira irregular em poste da avenida dos Imarés, em Moema.

Fios dispostos de maneira irregular em poste da avenida dos Imarés, em Moema.

Na avenida dos Imarés, uma das mais importantes de Moema, na zona sul da cidade a fiação dos postes tem preocupado. Em vários trechos é possível encontrar fios caídos, e quando não estão no chão ficam tão baixos que a pessoas precisam tomar cuidado para não esbarrarem. A dificuldade para saber se determinado fio está energizado ou não, também tem deixado os moradores apreensivos.

Em alguns  condomínios os próprios funcionários se encarregam de prender as fiações que eventualmente estejam soltas. Embora muito arriscada tal iniciativa é tomada com a justificativa de que o atendimento para o consumidor é ineficaz. Neste sentido a reclamação é a de que ninguém assume a responsabilidade pela situação. O zelador Jonny dos Santos recentemente prendeu alguns cabos que estavam pendentes em frente a entrada do prédio em que trabalha. “A gente liga mais ninguém vem ficam empurrando um para o outro, e a gente não pode ficar esperando. Afirma.

De acordo com a AES Eletropaulo normalmente os fios que caem dos postes pertencem a operadoras de telefonia ou de tv a cabo. A autorização para que o poste possa ser utilizado só pode ser dada pela Eletropaulo, que também faz a fiscalização. Apesar disto a Cia. alega que não pode punir empresas que estejam irregulares, apenas comunicá-las. No ano passado as operadoras foram notificadas a regularizar mas de 2 mil pontos.

Outra reclamação recorrente na região diz respeito aos muitos buracos existentes nas ruas e avenidas da região. Mas irregularidades também são apontadas em ciclovias, como a existente na Alameda dos Aratans. A via necessita de uma nova pintura, sobretudo no que tange respeito a sinalização. As queixas também dão conta de que a mesma é pouco utilizada. Abaixo seguem as notas com explicações emitidas  pela AES Eletropaulo e Prefeitura.

AES Eletropaulo

“Para ocuparem os postes da concessionária, as empresas de telecomunicação devem seguir normas e padrões que regulam os contratos vigentes. A faixa de ocupação das estruturas para o compartilhamento com as operadoras é de 50 cm, iniciando a 3,5m de altura a partir do solo. Considerando o maior diâmetro permitido para os cabos e os distanciamentos mínimos entre eles, só é possível instalar, de acordo com as normas, no máximo, seis pontos de fixação. Também segundo a regulamentação, é obrigatória a identificação dos cabos. Caso contrário, o projeto de instalação não é aprovado.
O problema é que algumas operadoras lançam seus cabos sem essa autorização, de forma clandestina, fora da faixa definida para o compartilhamento e sem identificar os cabos. Nesses casos, conforme determina a Resolução Conjunta 004/2014 da ANEEL e da ANATEL (art. 4º, § 3º), a AES Eletropaulo fiscaliza as prestadoras de serviços e telecomunicações que atuam de forma irregular e as notifica para que regularizem suas redes. Em 2015, a concessionária enviou ofícios para todas as operadoras que compartilham sua infraestrutura, solicitando a adequação de 2.129 pontos, agrupados por conjuntos elétricos. Vale ressaltar que a distribuidora é autorizada a notificar, mas não tem poder de punir as empresas que atuam de forma ilegal, e que as empresas de telefonia apenas são obrigadas a regularizar até 2.100 pontos durante um ano”.

Prefeitura

“Em atenção à solicitação, a Subprefeitura Vila Mariana fará uma vistoria em toda a extensão da avenida dos Imarés até esta terça-feira (5) e, constatado os buracos, os reparos serão executados. Sobre a ciclovia na Alameda dos Aratãs, esclarecemos que uma vistoria foi feita recentemente no local e foram constatados desníveis no asfalto. A via está incluída na programação de recapeamento da Superintendência das Usinas de Asfalto (SPUA) para os próximos meses e, enquanto isso, reparos paliativos serão realizados”.

Ouça aqui a reportagem.