''Voltei depois de dez minutos. Já tinha sumido''

Técnico estacionou às 7h na zona sul. Às 7h10, descobriu que seu Verona havia sido levado

, O Estado de S.Paulo

20 Abril 2010 | 00h00

Na Rua Barão do Bananal, na Pompeia, zona oeste de São Paulo, o calçamento de pedras e a tranquilidade do trânsito não deixam transparecer que ali é um dos locais onde mais se furta veículos.

Uma ação emblemática ocorreu ali em junho do ano passado, quando ladrões armados renderam o vigia noturno de um estacionamento da região e levaram oito carros que estavam parados no local. "Aqui é muito perigoso, sempre tem bandidos armados", disse Daniel Neves, funcionário do estacionamento.

Outra rua campeã de roubos na capital é a Loefgreen, na Vila Mariana. Foi lá que Roberto Kawamura teve o carro furtado no ano passado. Técnico de informática, Kawamura foi fazer um atendimento em uma escola pública na manhã do dia 16 de outubro e estacionou seu Verona por poucos minutos. "Foi uma coisa incrível. Parei o carro lá às 7 horas da manhã, voltei às 7h10 e o carro já tinha sumido", contou.

Segundo ele, o delegado chegou a comentar que aquela é uma das ruas mais perigosas da cidade, mas que não tem condições de aumentar o policiamento no local por falta de efetivo. "Para ele, tanto faz, tanto fez. Mas agora eu não paro aqui nunca mais. Não paro mesmo."

Situação parecida se passa na Rua Maestro Cardim, na Bela Vista, região central da cidade. Ali, uma faculdade, um shopping, uma academia e um dos maiores hospitais da cidade, a Beneficência Portuguesa, fazem com que as vagas de estacionamento ao longo da via estejam sempre ocupadas. O grande número de veículos e a alta rotatividade acabam sendo chamativos para os ladrões - como os que renderam a aposentada Helena Navarro Bonifácio numa tarde de domingo, em março do ano passado.

Violência. Na ocasião, ela visitava o filho no hospital quando três pessoas armadas a abordaram em um Peugeot 206, onde estava com filha e genro. "Fizeram a gente descer e colocaram a arma na minha cabeça. Levei um susto muito grande", disse. Além do veículo, os ladrões levaram a bolsa da sua filha, documentos e duas correntes que carregava no pescoço. "Ali é bem fácil de roubar no fim de semana. Agora, é tomar mais cuidado." / RODRIGO BURGARELLI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.