Você é favorável à visita íntima para adolescentes?

Sim Em primeiro lugar, a visita íntima é uma indicação de afeto e amor aos adolescentes. Quando se fala nela, se lembra apenas e tão somente de sexo. Isso pode ser muito pouco para nossos adolescentes. Pode ser importante, mas não é o mais importante. Serão necessárias palestras de psicólogos, assistentes sociais e médicos, além de educadores, falando sobre relacionamentos, amor, afeto e, obviamente, também de sexo. Esses encontros podem ser totalmente proveitosos. Vão trazer para os meninos e meninas internados uma carga de doçura que eles não experimentam em regime de internação, ainda que aqui em São Paulo a Fundação Casa esteja caminhando muito bem. Mesmo assim, isso é algo que vem para integrar, para o bom desenvolvimento dos adolescentes. Agora, cuidados devem ser tomados. Os encontros devem ser com adolescentes maiores de 14 anos. Sem permitir, evidentemente, promiscuidade. Nunca a cada semana uma menina ou menino diferente. Muitos já têm um relacionamento firme, por que não permanecer assim em prol da recuperação desse adolescente?

O Estado de S.Paulo

30 Abril 2012 | 03h06

Não Sou contrário por várias razões. Por óbvio, as visitas não podem ser monitoradas e não se sabe o que acontece dentro do quarto. A visitante pode levar algo para o rapaz, por exemplo. Você pode ter alguma gravidez de risco, não há uma forma de controle. O adolescente fica em média seis meses dentro da Fundação. Acredito que ele pode ficar esse período sem atividade sexual. Ele tem de entender que está privado de sua liberdade, de seus direitos, por infração penal. Daqui a pouco, vou ter de franquear também a entrada da mãe e do pai todos os dias. No processo de reeducação, a privação de alguns direitos é importante para que dê valor ao que perdeu. É como um castigo para o filho, quando se deixa sem jogar videogame, por exemplo. Faz parte do processo pedagógico, para que ele faça um juízo de "desvalor" da conduta dele, que coloque na balança o que ganhou ou perdeu. Além disso, como se comprovará o concubinato? Ou não se autoriza ninguém, por falta de formas para comprovar, ou se cria uma flexibilização tão grande que vão entrar meninas ou meninos que não tenham nenhuma relação de estabilidade com o interno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.