Vizinhos de consulado lucram com guarda-volumes

Decisão dos americanos de barrar a entrada de aparelhos eletrônicos no prédio fez surgir um novo serviço na Chácara Santo Antônio, na zona sul

Bruno Ribeiro - O Estado de S. Paulo

27 Abril 2010 | 09h53

 

SÃO PAULO - Comerciantes da Chácara Santo Antônio, na zona sul da capital, já estão lucrando com as mudanças no atendimento ao público feitas pelo consulado americano, que há uma semana proibiu a entrada de telefones celulares e outros aparelhos eletrônicos no prédio. Os lojistas alugam guarda-volumes especialmente para esses objetos, ao custo médio de R$ 5, sem limite de tempo.

 

A prática não é proibida pela Prefeitura, exceto se o guarda-volumes estiver no lado de fora das lojas - o que a reportagem não viu ontem pela manhã. Na rua do consulado, a Henri Dunant, há placas oferecendo o serviço em estabelecimentos como estacionamentos, papelarias e cafeterias.

 

"Eu sabia que a entrada com o celular estava proibida e as papelarias em frente guardavam para a gente", disse a advogada Lúcia Maria Torres, de 42 anos, que pretendia renovar o visto para os Estados Unidos. Lúcia disse que uma amiga já havia usado esses serviços. "Parece ser seguro, então não vejo problemas", afirmou a advogada.

 

Outra pessoa que usou o serviço, o engenheiro agrônomo Edilberto Moura, de 45 anos, disse que também sabia da proibição, mas colegas teriam entrado no prédio sem precisar deixar o aparelho. Por isso, decidiu arriscar - e foi avisado na porta que teria de deixar o celular de fora.

 

Mudanças. A proibição a celulares foi anunciada com um pacote de mudanças no atendimento do consulado, que trouxe a obrigação do preenchimento de uma guia pela internet. Até então, os aparelhos podiam ficar armazenados em uma guarita. O consulado foi procurado ontem para explicar os motivos da proibição, mas não respondeu.

 

A comerciante Ivana Soares, de 60 anos, dona de uma cafeteria na frente do consulado, disse que, no primeiro dia da mudança, ambulantes ficaram na frente do prédio, guardando os aparelhos celulares para os usuários. Ela instalou guarda-volumes para cativar o público. "A viagem deles começa aqui (na loja)."

 

Ivana tentou montar um guarda-volumes com armários, mas desistiu da ideia ao saber que os fabricantes não garantiam que as chaves seriam exclusivas. Montou prateleiras que ficam atrás dos caixas, longe do público. "Quis fazer seguro (do guarda-volumes), mas seguradora nenhuma faz. Tenho condições de arcar uma perda de aparelho."

 

Regras do visto

 

Pagamento de taxa de R$ 38 pode ser feito com cartão de crédito no site

 

Feito o pagamento, é preciso voltar ao site para agendar a entrevista no consulado

 

Pelo menos dois dias antes da entrevista, é preciso preencher outro formulário em outro site. O formulário é em inglês, mas há uma ferramenta de tradução para o português

 

No dia da entrevista, leve a relação de documentos descrita no site. O endereço é Rua Henri Dunant, 500, Chácara Santo Antonio, zona sul da capital. Telefone: 5186-7000

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.