Viúva do caso Mega-Sena é absolvida

Adriana Almeida era acusada de planejar a morte do marido, René Senna; com o resultado, ela passa a ter direito a 50% da herança

PEDRO DANTAS/ RIO , O Estado de S.Paulo

04 Dezembro 2011 | 03h02

O Conselho de Sentença do Tribunal do Júri de Rio Bonito, no Rio, absolveu na madrugada de ontem a cabeleireira Adriana Ferreira de Almeida, acusada de mandar matar o milionário da Mega-Sena Renné Senna, em janeiro de 2007.

A sentença foi lida pela juíza da 2.ª Vara de Rio Bonito, Roberta dos Santos Braga Costa. Outros três acusados de tramar o assassinato também foram absolvidos. Com a decisão, Adriana deve ficar com a herança de cerca de R$ 50 milhões.

O julgamento durou cinco dias e foram ouvidas 17 testemunhas - apenas os ex-seguranças da vítima, Anderson Silva de Souza e Ednei Gonçalves Pereira, condenados em 2009 a 18 anos de prisão, cumprem pena pelo crime. Ainda ontem, o Ministério Público do Rio recorreu contra a absolvição da viúva de Renné, executado com cinco tiros dois anos após ganhar R$ 52 milhões. O prazo mínimo para novo julgamento é de três meses.

Na avaliação dos promotores do MP do Rio, o júri não levou em consideração investigações concluídas, que constavam no processo, como as ligações telefônicas de Adriana para o ex-segurança Anderson Souza, já condenado pelo crime, que comprovariam ter sido ela a mandante do assassinato. A defesa da viúva classificou a atuação da acusação como "covarde, infantil, preconceituosa e sem provas".

"Estou absolutamente convencida da participação de Adriana, mas o Tribunal do Júri é isto. A sociedade é quem decide. A decisão é soberana, mas não é absoluta", afirmou a promotora Priscilla Naegele Vaz. Única filha do milionário, Renata Senna não compareceu ao último dia de julgamento. O advogado dela, Marcus Rangoni, confirmou que o MP do Rio entrou com recurso no final do julgamento e disse que a sentença revoltou a família da filha da vítima, que também quer recorrer contra a decisão.

Patrimônio. Durante o julgamento, Adriana admitiu que teve um caso fora do casamento com um motorista de van, com quem passou o réveillon de 2007. A viúva disse que a relação aconteceu porque o marido sofria de disfunção erétil. Ao ouvir a sentença, Adriana chorou.

Absolvida, a viúva passa a ter o direito de lutar pela metade da fortuna deixada pelo marido, hoje estimada em R$ 100 milhões. No testamento, o milionário deixou metade do patrimônio para a viúva. Apontada pela polícia como mandante do crime, se condenada, Adriana teria o acesso definitivamente interditado aos bens da vítima. Todo o patrimônio ficará interditado pela Justiça até o fim do processo criminal sobre a morte do milionário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.