Visual da Linha 4 serve de inspiração

'Estado' teve acesso aos projetos das Estações Hospital São Paulo e Brooklin-Campo Belo, que terão tetos vazados e mezaninos

O Estado de S.Paulo

03 Dezembro 2011 | 03h02

Com mezaninos suspensos para ligar as plataformas, tetos vazados para facilitar a entrada da luz do sol e até três lances de escadas rolantes entre a rua e o nível dos trens, as 11 estações que serão construídas na zona sul da cidade, no prolongamento da Linha 5-Lilás, vão parecer muito com as paradas recém-inauguradas da Linha 4-Amarela. O Estado teve acesso às plantas de duas das novas estações.

A construção deve começar nos próximos dias. O governo tem pressa, uma vez que o Ministério Público Estadual (MPE) tenta, na Justiça, impedir que o projeto vá adiante.

Uma dessas paradas é a Vila Clementino, que já vai mudar de nome antes mesmo do começo da obra. Será a Estação Hospital São Paulo. A parada ficará no cruzamento das Ruas Pedro de Toledo e dos Otonis, na Vila Clementino, zona sul. É a penúltima estação da linha. O acesso aos trens, que ficarão a quase 50 metros abaixo do nível do solo, se dará em uma "casa de vidro" de 10 metros de altura no lado sul do cruzamento entre as duas ruas.

O projeto prevê ainda bicicletário e uma área de serviço, para funcionários do Metrô, em um prédio de quatro andares, que vai abrigar reservatórios de água, área de ventilação e salas técnicas.

A estação terá duas entradas para as plataformas. Pelo lado norte, os usuários vão descer até um túnel que passará embaixo da Pedro de Toledo até a entrada sul - a principal da estação. Ali haverá dois conjuntos de escadas rolantes, com duas escadas em cada sentido, e dois conjuntos de escadas comuns. Na entrada norte, um acesso descerá até a plataforma e será usado só para serviços de manutenção.

Cadeirantes e idosos terão de tomar dois elevadores para chegar à plataforma. O acesso a eles será pelo norte da estação. O elevador levará os passageiros até o mezanino que ficará sobre a plataforma. Lá, o usuário terá de percorrer o mezanino até o outro elevador, que descerá as pessoas até o nível dos trens.

Brooklin-Campo Belo. As plantas da Estação Brooklin-Campo Belo, cujas obras também devem começar nos próximos dias, mostram uma claraboia de vidro, também pensada para aproveitar a luz natural, muito parecido com a entrada da Estação Vila Prudente, da Linha 2-Verde, inaugurada no ano passado.

A Estação Brooklin-Campo Belo terá um só túnel vertical para chegar à estação. Mas também serão três lances de escadas rolantes entre o nível da rua e as plataformas de embarque.

Todas as estações da Linha 5-Lilás serão como as paradas entregues pelo Metrô de 2009 para cá. As escadas rolantes são "inteligentes" - ficam em modo de economia de energia, operando mais devagar, quando "detectam" que não há passageiros. As catracas com roletas dão lugar a portas de embarque, de vidro, e haverá portas de vidro na plataforma separando os trens das pessoas, o que elimina riscos de usuários caírem nos trilhos.

Além da Linha 5-Lilás, o Estado faz, no momento, as obras de ampliação da Linha 2-Verde (o monotrilho da zona leste) e está obtendo as licenças para construir a Linha 17-Ouro, o monotrilho que ligará o Morumbi ao Aeroporto de Congonhas.

A atual gestão quer começar ainda a Linha 6-Laranja, da Estação São Joaquim, na Liberdade, até Brasilândia (que será feita por meio de uma Parceria Público-Privada, que já tem oito interessados), e espera conseguir começar também a Linha 15-Branca. Na zona leste, esse ramal começará na Vila Prudente, passará pela região do bairro Tiquatira e terminará na Rodovia Presidente Dutra. / BRUNO RIBEIRO E MARCELO GODOY

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.