1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Violência dos taxistas na capital paulista afasta clientes

- Atualizado: 29 Fevereiro 2016 | 07h 59

Casos de hostilidade e situações desagradáveis fizeram muitos migrarem para serviços como Uber, até como forma de protesto

SÃO PAULO - Sem saber dirigir e por se recusar a arcar com todos os gastos de ter um veículo, a programadora Maila Manzer Attil, de 28 anos, sempre andou muito de táxi e coleciona situações desagradáveis com o serviço: já foi assediada, perseguida e até deixada na rua por um motorista que se recusou a seguir o caminho que ela pediu. Por isso, quando o Uber chegou a São Paulo, ela não pensou duas vezes para experimentar o aplicativo.

“Ganhei um voucher para usar em uma feira de startups, no início de 2014 e na primeira viagem fui tratada com muito respeito, de uma forma que não era tratada pelos taxistas. Porque muitos nos tratam como se estivessem fazendo um favor e não como clientes pagando por um serviço”, disse. Depois disso, passou a evitar as viagens nos carros brancos.

PM diz que contagem de manifestantes não é precisa, já que no mesmo momento do protesto a Avenida Paulista estava fechada para carros, com muitos pedestres circulando

PM diz que contagem de manifestantes não é precisa, já que no mesmo momento do protesto a Avenida Paulista estava fechada para carros, com muitos pedestres circulando

O cineasta Vinicius Lima Costa, de 27 anos, também usa o Uber. Desde que foi hostilizado por taxistas, a opção também é um forma de protesto. “Eu estava chegando a Congonhas com a minha mãe em um Uber e um grupo de taxistas começou a ameaçar o motorista e a questionar por que estávamos andando com ele.”

Por reprovar a atitude violenta e repressiva, ele também tem evitado andar de táxi. “Eles nunca tiveram concorrência e com isso perderam a noção de como tratar o cliente”, disse Costa.

Confira os estabelecimentos que participam da ação da Uber
Divulgação
Pirajá

Em nova estratégia de marketing, a Uber dará um chopp para quem utilizar o serviço para ir a um dos sete estabelecimentos que fazem parte da ação. O Pirajá é um deles. São três unidades: Av. Brigadeiro Faria Lima, 64, em Pinheiros; Morumbi Shopping, no Piso Lazer; e Shopping Iguatemi Alphaville, no Piso Xingu. Válido de segunda à sexta-feira, a partir das 18h.

Violência. Desde o ano passado, foram registrados diversos episódios de ataques de taxistas contra motoristas do Uber. No dia 5 de janeiro, cinco homens armados com barras de ferro depredaram o carro de um ex-taxista que adotou o serviço.

As declarações de líderes do sindicato contra os concorrentes, que motivaram até abertura de inquéritos por apologia à violência, e as ações radicais de alguns grupos têm criado uma divergência mesmo dentro da categoria. Sérgio, que trabalha em uma cooperativa e pediu para não ter o sobrenome divulgado, disse que a ação de um pequeno grupo não pode manchar toda a profissão. “Os taxistas que estão tomando essas ações mais violentas são aqueles que se sentiram mais prejudicados com o Uber. Por exemplo, quem trabalhava na porta de hotel ou em eventos”, disse.

Desde o ano passado, a Prefeitura estuda a regulamentação do serviço. Já o Tribunal de Justiça de São Paulo proibiu a administração municipal de fazer a apreensão de veículos da Uber.

Uber: veja a situação do aplicativo em outros 11 países
Márcio Fernandes/Estadão
Táxis x Uber

Inventado como uma alternativa ao táxi, o Uber está gerando polêmica nos países em que está presente. Apontado por críticos como um 'concorrente desleal', o app chegou ao Brasil em maio de 2014 e já opera em diversas cidades, como São Paulo, Brasília, Belo Horizonte e Rio de Janeiro, municípios cujos taxistas vêm apresentando todo tipo de resistência ao novo rival. Veja a seguir outros lugares do mundo que o Uber provocou revoltas.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX