Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

São Paulo

São Paulo » Violência dos taxistas na capital paulista afasta clientes

São Paulo

Divulgação

São Paulo

Uber

Violência dos taxistas na capital paulista afasta clientes

Casos de hostilidade e situações desagradáveis fizeram muitos migrarem para serviços como Uber, até como forma de protesto

0

Isabela Palhares e Rafael Italiani,
O Estado de S.Paulo

29 Fevereiro 2016 | 07h58

SÃO PAULO - Sem saber dirigir e por se recusar a arcar com todos os gastos de ter um veículo, a programadora Maila Manzer Attil, de 28 anos, sempre andou muito de táxi e coleciona situações desagradáveis com o serviço: já foi assediada, perseguida e até deixada na rua por um motorista que se recusou a seguir o caminho que ela pediu. Por isso, quando o Uber chegou a São Paulo, ela não pensou duas vezes para experimentar o aplicativo.

“Ganhei um voucher para usar em uma feira de startups, no início de 2014 e na primeira viagem fui tratada com muito respeito, de uma forma que não era tratada pelos taxistas. Porque muitos nos tratam como se estivessem fazendo um favor e não como clientes pagando por um serviço”, disse. Depois disso, passou a evitar as viagens nos carros brancos.

O cineasta Vinicius Lima Costa, de 27 anos, também usa o Uber. Desde que foi hostilizado por taxistas, a opção também é um forma de protesto. “Eu estava chegando a Congonhas com a minha mãe em um Uber e um grupo de taxistas começou a ameaçar o motorista e a questionar por que estávamos andando com ele.”

Por reprovar a atitude violenta e repressiva, ele também tem evitado andar de táxi. “Eles nunca tiveram concorrência e com isso perderam a noção de como tratar o cliente”, disse Costa.

Violência. Desde o ano passado, foram registrados diversos episódios de ataques de taxistas contra motoristas do Uber. No dia 5 de janeiro, cinco homens armados com barras de ferro depredaram o carro de um ex-taxista que adotou o serviço.

As declarações de líderes do sindicato contra os concorrentes, que motivaram até abertura de inquéritos por apologia à violência, e as ações radicais de alguns grupos têm criado uma divergência mesmo dentro da categoria. Sérgio, que trabalha em uma cooperativa e pediu para não ter o sobrenome divulgado, disse que a ação de um pequeno grupo não pode manchar toda a profissão. “Os taxistas que estão tomando essas ações mais violentas são aqueles que se sentiram mais prejudicados com o Uber. Por exemplo, quem trabalhava na porta de hotel ou em eventos”, disse.

Desde o ano passado, a Prefeitura estuda a regulamentação do serviço. Já o Tribunal de Justiça de São Paulo proibiu a administração municipal de fazer a apreensão de veículos da Uber.

Mais conteúdo sobre:

Comentários