1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Vila Itaim, na zona leste de SP, está há 20 dias 'debaixo' d'água

- Atualizado: 10 Março 2016 | 17h 00

Córregos transbordaram em fevereiro; enquanto em outros bairros da região a situação já foi normalizada, local está 'ilhado'

SÃO PAULO - Há praticamente um mês o estudante Mateus Ribeiro dos Santos, de 17 anos, tem uma obrigação diária: de segunda a sexta-feira, no início da tarde, põe nas costas a irmã Suellen, de 11, para enfrentar  as ruas alagadas da Vila Itaim, no extremo da zona leste da capital. O destino é a Escola Municipal Capistrano de Abreu, onde a menina estuda. Mais uma vez os moradores do bairro, enraizado nas várzeas do Rio Tietê,  estão “ilhados”.

A situação se arrasta pelo menos desde o dia 20 de fevereiro, quando uma chuva intensa fez sete córregos transbordarem na região. Em outros bairros atingidos -  Vila Jacuí, Vila Nova União, Jardim Lapenna e Jardim Romano - a água recuou. No Itaim, tudo continua igual.

Vila Itaim debaixo d'água
Tiago Queiroz/Estadão
Vila Itaim alagada

Mais uma vez os moradores da Vila Itaim, no extremo leste da capital, estão ilhados. Com a forte chuva do dia 20 de fevereiro, sete córregos transbordaram. Enquanto Prefeitura e governo estadual não retiram as famílias irregulares do local e não constroem um piscinão anunciado em 2013, a rotina é de galochas, risco de adoecer e até perder os móveis

Mateus não usa botas ou qualquer outro tipo de proteção. Diz já estar acostumado. “Já fiquei de cama, tive diarreia, não conseguia comer.” A água que chega aos tornozelos carrega fezes, urina e até sacos de lixo jogados por moradores. Levar a irmã nas costas foi a única solução que o adolescente encontrou para que a menina não perdesse as aulas.

No sobrado de Mateus, onde também vivem um irmão de 20 anos e os pais do garoto, a situação já foi pior. A família já perdeu a conta de quantas vezes os móveis foram levados pela água. Conquistaram tudo aos poucos novamente com doações de amigos.

A mãe do estudante, a enfermeira Elaine Aparecida dos Santos, de 39 anos, decidiu quebrar todos os cômodos da frente da casa e construí-los nos fundos, no andar de cima. Não aguentou mais a situação rotineira de acordar para ir ao banheiro e sentir a água nos pés. “Meus filhos faziam as necessidades em saco plástico, era muito humilhante”, contou.

Na reforma, foram gastos R$ 30 mil, tudo obtido em empréstimos. A família já tentou deixar o imóvel, mas não consegue vendê-lo. “Meus filhos também já não conseguem sair daqui. Estudam aqui, têm amigos aqui. Quis me mudar mas não dá mais”, conta a mãe. Ela chegou a receber oferta de bolsa aluguel da Prefeitura para deixar o lugar. “Mas o que eu vou fazer com R$ 300 ou R$ 400 tendo família de cinco pessoas?”

Para trabalhar, Elaine já tem um ritual: ergue as barras da calça, calça o par de chinelos e atravessa a rua até uma escola municipal, onde se enxuga.  O cachorro da família, Thor, morreu há algumas semanas com leptospirose, depois de fugir da casa e passar dias em contato com o esgoto.

A situação já é rotineira no bairro em períodos de chuva.  É comum ver moradores com galochas para ir à padaria, ao trabalho e até ao culto evangélico. A aposentada Izaira Ferreira dos Santos, de 63 anos, repete o trajeto da casa à igreja de três a cinco vezes por semana. “Calço a bota e vou com a fé. Só rezando para suportar essas coisas”, diz ela, moradora no local há mais de dez anos.

O ajudante Wesley de Sousa, de 18 anos, ainda se pergunta se valeu a pena ter vindo do Maranhão em busca de emprego na capital paulista. “Não sabia que era assim, tudo alagado. Ninguém me avisou.” O jovem teve uma breve passagem por Guarulhos, mas veio à capital por ser mais perto do trabalho. Arrependeu-se.

Larissa Rufino, de 18 anos, busca o filho João Henrique, de 2 anos, na creche Cantinho do Céu, na Rua Aramaçã 

Larissa Rufino, de 18 anos, busca o filho João Henrique, de 2 anos, na creche Cantinho do Céu, na Rua Aramaçã 

Creche. Para chegar às escolas da região, a solução foi recorrer às bicicletas. A estudante e dona de casa Larissa Rufina, de 18 anos, contou que deixou o emprego de vendedora para levar o filho João Henrique, de dois anos, à creche Cantinho do Céu, na Rua Aramaçã. Vai sobre duas rodas e volta a pé, de chinelos, com a criança montada no veículo. “Não tenho condições de pagar perua. E acho que nem ela deve entrar aqui nessa rua. É um descaso total”, reclamou.

Mas há quem já tenha desistido do trajeto. A vendedora Michele da Silva Santos, de 26 anos, nem leva mais a filha Ana Manuela, de 2 anos, ao local. “Minha cunhada veio aqui na semana passada e ficou doente. Prefiro nem arriscar”, disse ela, que tem ficado em casa para cuidar da menina desde o início das chuvas.

As faltas viraram parte do cotidiano da creche. De acordo com uma funcionária,que pediu para não ser identificada, a maioria das 156 crianças da unidade que moram nas ruas alagadas já não vão mais ao local. “Estão todos presos em casa, não tem o que fazer. Aqui dentro não entra água, mas o problema é chegar. Está difícil para todo mundo.”

Pôlder. A solução para os alagamentos na região passa por responsabilidades tanto do governo municipal da capital quanto estadual. Em 27 de fevereiro do ano passado foi assinado um convênio entre a Prefeitura e o governo do Estado para a construção de um mini-piscinão, o pôlder, para conter as águas do Rio Tietê.

À Prefeitura cabe a remoção das famílias da área, ação que, segundo informado em nota, só poderá ser executada depois da desapropriação dos imóveis e apresentação do projeto de construção do piscinão pelo governo estadual, por meio do Departamernto de Águas e Energia Elétrica (DAEE).

Já o DAEE informa que está viabilizando a desapropriação das áreas envolvidas. São 96 imóveis em uma área de 333,5 mil metros quadrados. E diz que em paralelo a isso, é “essencial” que a Prefeitura inicie o reassentamento das famílias que ocupam a área onde está sendo construído o dique.

Enquanto o piscinão não sai do papel, uma equipe de 62 agentes municipais tenta minimizar o estrago. De acordo com a Prefeitura, equipes da Defesa Civil Municipal e das Subprefeituras de Itaim Paulista, Guaianases, São Mateus e Cidade Tiradentes atuam no local em ações integradas de limpeza de bueiro, cata-bagulho, limpeza e varrição de logradouros e sucção de água da inundação. Diz ainda que cerca de duas mil famílias receberam kits, cestas básicas e insumos.

Para famílias como a de Eliane, resta esperar. E evitar que Nutella, o outro cãozinho que vive na  casa, fuja da garagem. Esteve no colo de sua dona durante toda a visita da reportagem, na quarta-feira, 9. “Não quero perder mais um. Essa situação dói”, diz. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em São PauloX