Vídeo mostra suposto tiro da PM em direção a janela de prédio

Internauta filma policial disparando projétil em direção a apartamento durante quarto protesto em São Paulo contra aumento de tarifa; uma pessoa teria ficado ferida, afirma cinegrafista amador

Breno Pires - O Estado de S. Paulo,

14 Junho 2013 | 18h22

Do sétimo andar de um apartamento no centro de São Paulo, uma pessoa filmava a atuação da polícia na Praça Roosevelt durante o quarto protesto contra o aumento das tarifas de transporte público em São Paulo, nessa quinta-feira, 13. Na altura de 5 minutos e 50 segundos do vídeo, um policial dispara um projétil que parece ir em direção à janela onde era feita a filmagem. As pessoas que estavam no apartamento se abaixam e se afastam da janela enquanto se ouve uma explosão do projétil. O vídeo foi publicado por um usuário identificado apenas como Maria. Ela afirma que foram disparadas bombas de gás lacrimogêneo em direção ao apartamento e um amigo dela foi atingido no pulso por um dos disparos.

Assista ao vídeo:

 

 

"Fomos alvejados com bombas de gás lacrimogênio no sétimo andar, dentro do apartamento de uma amiga, onde inclusive reside uma bebê de 02 meses de idade, enquanto víamos e filmávamos manifestantes que foram obrigados a desviar de seu trajeto sob saraivada de bombas de efeito moral disparadas também por policiais que causaram alvoroço e confusão em uma manifestação que tinha tudo para ser pacifica. Meu amigo foi ferido no pulso ao ser atingido por um desses disparos", diz o relato do vídeo publicado em um servidor de internet pelo usuário Maria.

O vídeo foi um dos vários publicados por internautas sobre os confrontos entre manifestantes e policiais durante o quarto e mais violento protesto. O Movimento Passe Livre, que organiza as manifestações, diz que não vai parar enquanto não for revogado o aumento na tarifa de ônibus, metrô e trens na cidade, que subiu de R$ 3,00 para R$ 3,20 no dia 2 de junho. O governador Geraldo Alckmin e o prefeito Fernando Haddad afirmam que não há possibilidade de redução do valor das passagens, que tiveram um aumento abaixo da inflação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.