Viatura do Deic é usada como cativeiro

Corregedoria flagrou dois policiais do departamento extorquindo R$ 5 mil de traficante no Jaçanã

Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

22 Abril 2010 | 00h00

Dois investigadores do Departamento Estadual de Investigações sobre o Crime Organizado (Deic) apanharam um traficante de drogas e sua mulher e os mantiveram em cativeiro em uma viatura com 1 quilo de cocaína. Ameaçavam prender a companheira do criminoso, se ele não entregasse R$ 5 mil. Antes que o negócio fosse fechado, a Corregedoria da Polícia Civil surpreendeu o grupo e prendeu o traficante e os policiais.

A prisão de anteontem ocorreu às 22h30. Ela faz parte da nova fase da Corregedoria, iniciada em março, quando o órgão ganhou independência e passou a ser mais procurada por vítimas da chamada banda podre da polícia. Todo dia chegam denúncias à Divisão de Operações Policiais (DOP) sobre ação de supostos policiais corruptos. Para atendê-las, a DOP montou o que chama de Operação Relâmpago - o despacho imediato de uma equipe para tentar prender em flagrante policiais corruptos.

Exemplo disso teria sido o que ocorreu no começo da noite de anteontem, quando a DOP recebeu um telefonema anônimo. Uma pessoa dizia que duas pessoas eram mantidas reféns dentro de uma viatura do Deic, na Avenida Roland Garros, no Jaçanã, zona norte.

A equipe do delegado Eduardo Henrique de Carvalho Filho, da DOP, foi verificar o que estava acontecendo e surpreendeu o investigador Ivahir Donizete de Paula e o agente policial Marcelo Rosa Pinto com as duas supostas vítimas do achaque - Caio Gomes de Almeida e sua mulher Karla - dentro de um Palio Weekend. O carro era uma viatura descaracterizada do Deic.

Com eles estava uma advogada e 1 quilo de cocaína embalada. Almeida confirmou aos corregedores que os policiais queriam R$ 5 mil para soltar a mulher. Ele contou que havia sido pego há duas quadras dali e obrigado a telefonar para a família.

Negativa. Os homens do Deic negaram o crime. Disseram que estavam ali com o casal esperando o suposto comprador da droga, para também prendê-lo. Não explicaram, porém, por que não levaram o entorpecente para o Deic e a razão de a advogada dos acusados estar ali com o casal.

O delegado corregedor determinou a prisão em flagrante dos policiais do Deic - eles trabalhavam especificamente na Delegacia de Roubo de Joias. Almeida, que os acusou, foi também preso, sob a acusação de tráfico de drogas. Sua mulher foi ouvida como testemunha. A viatura do Deic acabou apreendida.

Para lembrar

Há nove dias, mais 3 foram para a cadeia

Essa é a segunda vez em uma semana que policiais do Deic vão para a cadeia por causa de extorsões. Na semana passada três investigadores foram presos quando tentavam achacar um comerciante em Guarulhos, na Grande São Paulo. Um deles atropelou um colega e fugiu, mas acabou detido no dia seguinte.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.