Vereadores de SP flagrados cometendo irregularidades se defendem

'Estado' acompanhou 20 sessões da Casa ao longo de três semanas e constatou três fraudes

O Estado de S.Paulo

04 Julho 2012 | 21h44

No domingo, 1º de julho, o 'Estado' revelou que pelo menos 17 do 55 vereadores da Câmara Municipal de São Paulo praticaram irregularidades no registro de presenças. A reportagem acompanhou 20 sessões da Casa ao longo de três semanas e constatou que três fraudes foram cometidas pelos parlamentares.

Funcionários da Câmara responsáveis pelo painel marcaram presença para vereadores presentes e ausentes nas sessões; a Casa mantém um terminal de presença fora do plenário, ao lado do elevador que dá acesso ao local; e, por fim, parlamentares foram flagrados saindo do plenário durante as sessões.

Confira abaixo quais são as acusações contra cada um dos 17 vereadores e o que eles dizem a respeito:

1 - Agnaldo Timóteo (PR)

Acusação - Na sessão ordinária do dia 27 de junho, o vereador teve o nome marcado no painel às 15h31, mas só apareceu no plenário por volta das 16h30.

Defesa - Timóteo afirma que marcou presença no terminal ao lado do elevador.

2 - Antonio Carlos Rodrigues (PR)

Acusação - Teve o nome marcado nas sessões ordinárias dos dias 19 e 26, apesar de não estar no plenário.

Defesa - O vereador afirma que marcou presença no terminal ao lado do elevador.

3 - Celso Jatene (PTB)

Acusação - Na sessão ordinária do dia 19 de junho, o vereador não aparece no plenário, mas tem seu nome marcado.

Defesa - Jatene afirma que marcou a presença no terminal ao lado do elevador.

4 - Claudinho (PSDB)

Acusação - Teve o nome marcado pela Mesa na sessão do dia 2.7

Defesa - O vereador não respondeu à reportagem.

5 - Donato (PT)

Acusação - Estava em plenário minutos antes do início da sessão ordinária do dia 27, marcou sua presença e saiu para participar de evento com o candidato Fernando Haddad, voltando cerca de uma hora depois. Seu nome continuou no painel nesse período.

Defesa - Donato diz que a sessão estava suspensa quando ele saiu.

6 - Edir Sales (PSD)

Acusação - Na sessão do dia 27 de junho, teve o nome marcado por funcionário da Mesa Diretora assim que entrou no plenário. No dia 19, não estava na Casa, mas seu nome constou no painel.

Defesa - A vereadora nega que funcionários tenham autorização para marcar seu nome.

7 - Eliseu Gabriel (PSB)

Acusação - Estava em plenário minutos antes do início da sessão ordinária do dia 27, marcou sua presença e saiu para participar de evento com o candidato Fernando Haddad, voltando cerca de uma hora depois. Seu nome continuou no painel nesse período.

Defesa - Eliseu Gabriel diz que a sessão estava suspensa quando ele saiu. 

8 - Jamil Murad (PC do B)

Acusação - No dia 20 de junho, deixou o plenário após a votação nominal de dois projetos do Executivo e antes do início das aprovações simbólicas. Seu nome, porém, continuou a constar no painel.

Defesa - O vereador afirma que não vê problema em deixar o plenário durante votação simbólica.

9 - José Ferreira Zelão (PT)

Acusação - Na sessão do dia 27 de junho, teve o nome marcado às 15h34 por funcionário da Mesa Diretora assim que entra no plenário.

Defesa - Zelão afirmou que sempre marca a própria presença no plenário.

10 - Juliana Cardoso (PT)

Acusação - Teve o nome marcado na sessão ordinária do dia 19, apesar de não estar na Casa. No dia 27, chegou ao início da sessão e teve o nome marcado por funcionários da Mesa. Depois, saiu e voltou cerca de duas horas depois.

Defesa - A vereadora não respondeu à reportagem.

11 - Juscelino Gadelha (PSB)

Acusação - Estava em plenário minutos antes do início da sessão ordinária do dia 27, marcou sua presença e saiu para participar de evento com o candidato Fernando Haddad, voltando cerca de uma hora depois. Seu nome continuou no painel nesse período. No dia 28, não foi ao plenário, mas também teve sua presença assegurada.

Defesa - Gadelha diz que a sessão estava suspensa quando ele saiu

12 - Milton Ferreira (PSD)

Acusação - Teve o nome marcado pela Mesa na sessão do dia 27.

Defesa - O vereador disse desconhecer o fato e afirma ter marcado a própria presença.

13 - Milton Leite (DEM)

Acusação - Teve o nome marcado pela Mesa na sessão do dia 27.

Defesa - Milton Leite afirma que nunca marcaram a presença por ele e que estava na Casa para votação.

14 - Netinho de Paula (PC do B)

Acusação - Não estava na Casa no dia 27 de junho e teve o nome marcado no painel. No dia 20, deixou o plenário após a votação nominal de dois projetos do Executivo e antes do início das aprovações simbólicas. Seu nome, porém, continuou a constar no painel.

Defesa - O vereador não respondeu à reportagem.

15 - Sandra Tadeu (DEM)

Acusação - Na sessão ordinária do dia 19 de junho, a vereadora não aparece no plenário, mas tem seu nome marcado.

Defesa - A vereadora afirma que marcou a presença no terminal ao lado do elevador.

16 - Senival Moura (PT)

Acusação - Não estava na Casa durante sessão do dia 26 de junho, mas teve seu nome marcado no painel.

Defesa - O vereador não respondeu à reportagem.

17 - Ushitaro Kamia (PSD)

Acusação - Na sessão ordinária do dia 19 de junho, teve o nome marcado por funcionário da Mesa Diretora durante a sessão ordinária, mas não estava em plenário no momento da marcação (chegou por volta das 17h30, já na extraordinária). No dia seguinte, durante sessão extraordinária, checamos ainda que o vereador deixou o plenário após a votação do projeto que criou uma secretaria exclusiva para tratar de assuntos da Copa do Mundo.

Defesa - O vereador não respondeu à reportagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.