Vereador de SP cria projeto de lei que proíbe 'pulseiras do sexo'

Vereador de SP cria projeto de lei que proíbe 'pulseiras do sexo'

Criação do projeto teve como base o estupro de uma jovem de 13 anos em Curitiba que usava a pulseira

Julia Baptista, do estadão.com.br

09 Abril 2010 | 18h53

Famosas entre adolescentes, as coloridas "pulseiras do sexo" podem estar com seus dias contados nas escolas e no comércio da capital paulista. Um projeto de lei que proíbe a comercialização e o uso das pulseiras nas redes públicas e particulares de ensino da cidade de São Paulo foi protocolado nesta quinta-feira, 8, pelo vereador Ricardo Teixeira (PSDB).

 

Veja também:

linkAdolescente é estuprada por ter estourado 'pulseira do sexo'

linkVereador de Mato Grosso quer proibir venda de 'pulseira do sexo'

 

A criação do projeto teve como base o estupro de uma jovem de 13 anos em Curitiba que usava a pulseira. "Hoje as crianças acabam sendo educadas na escola, porque os pais trabalham fora, e como vereador tenho o dever de fazer leis para auxiliar no sistema educacional", afirmou o Teixeira.

 

O projeto deve ser aprovado por comissão da Câmara antes de ir à votação em plenário e ser sancionado pelo prefeito Gilberto Kassab.

 

Em março, o prefeito de Navegantes(SC), Roberto Carlos de Souza, sancionou lei que proíbe o uso das pulseiras na rede municipal de ensino. O mesmo aconteceu em Maringá e Londrina (PR), Dourados (MS)e Manaus (AM).

 

Nas bancas do comércio popular da 25 de Março um conjunto com 20 pulseiras custa, em média, R$ 2,50.

 

As "pulseiras do sexo" tiveram origem no Reino Unido com um jogo chamado "snap" - arrancar, em tradução literal, no qual a pulseira é arrebentada pelo parceiro ou parceira de quem usa. Conforme a cor da pulseira, a pessoa deve pagar uma prenda, que vai de um beijo a sexo oral.

Mais conteúdo sobre:
pulseiras do sexo Câmara proibição

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.