Valets estacionam em praça do Morumbi

Ministério Público investiga uso indevido de local em frente de estádio ; advogado do São Paulo diz que clube não tem nada a ver com o caso

Cristiane Bomfim, O Estado de S.Paulo

15 Abril 2010 | 00h00

JORNAL DA TARDE

O Ministério Público Estadual (MPE) instaurou inquérito para apurar a utilização da Praça Roberto Gomes Pedrosa, em frente ao Estádio do Morumbi, na zona sul, como estacionamento. Empresas particulares são acusadas de cobrar de motoristas para que possam estacionar na área.

A promotora de Habitação e Urbanismo Mabel Schiavo Tucunduva comanda, desde outubro do ano passado, a investigação, motivada por denúncia dos moradores. Eles acusam o São Paulo Futebol Clube de se apropriar indevidamente da praça.

A ação da promotoria começou a dar resultados. A Subprefeitura do Butantã proibiu estacionar na área, conforme determina portaria publicada anteontem no Diário Oficial da Cidade.

Parte da praça ? cerca de 10 mil metros quadrados ? foi asfaltada há mais de uma década e hoje é garagem a céu aberto. "Sempre que há eventos no estádio, a área é usada", disse Marcia Vairoletti, presidente da Associação de Segurança e Cidadania.

De acordo com Marcia, frequentadores do Santo Paulo Bar, instalado no estádio, pagam valet. "O cliente deixava o carro na frente do estádio, recebia um comprovante e pagava R$ 10. Depois, o carro era levado por um manobrista para a praça", detalhou uma outra moradora.

A presidente do Conselho de Segurança (Conseg) do Morumbi, Júlia Titz de Rezende, também acusa o clube de utilizar a praça como estacionamento. "Especialmente nos fins de semana", disse. Para Júlia, a retirada do asfalto coibiria a prática.

Outro lado. O advogado do São Paulo, José Francisco Manssur, afirma que o clube não tem relação com a utilização da área como estacionamento. "Em dias de shows ou quando há evento, o São Paulo aluga a parte interna. O uso da praça é negociado entre empresas que nos contrataram e a subprefeitura."

Manssur disse também que o Santo Paulo Bar é administrado pela empresa GRS Alimentos e que desconhece a cobrança de valet. "Apenas alugamos o espaço para eles." Procurada, a empresa não retornou à reportagem.

Notificação. De acordo com o MPE, o São Paulo Futebol Clube já foi notificado e a Subprefeitura do Butantã se comprometeu a impedir a irregularidade.

A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras afirmou que estão previstas a sinalização do local com placas de proibição de estacionar e obras que "auxiliem o cumprimento da portaria". Não há previsão para retirada da pavimentação da praça.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.