Uma grife com cores e formas de São Paulo

Depois de uma leva de lojas com DNA carioca, com roupas coloridas e despojadas, abriu anteontem em São Paulo uma grife bem paulistana - a começar pelo nome: Garoa. Até a cor cinza das paredes da loja remete ao clima da capital paulista. A arquitetura da cidade deu origem ao corte reto das peças.

, O Estado de S.Paulo

30 Outubro 2010 | 00h00

"As roupas são comportadas, mas não caretas", diz o engenheiro André Tassinari, proprietário da grife. A principal aposta da coleção feminina são os vestidos, nem muito cumpridos nem muito curtos.

Já as peças masculinas ganharam tecidos especiais. A linha básica, por exemplo, com camisetas e cuecas, foi confeccionada com algodão orgânico. Há também peças de bio jeans, fabricadas a partir de fibras de jeans usados. Como o tecido não é tingido novamente, ganha o aspecto delavê.

O Pima cotton, algodão colombiano, considerado um dos melhores do mundo, foi usado em camisetas e camisas masculinas. "É um tecido muito mais macio que o nacional", diz a estilista responsável pela coleção, Carolina Camelli Ferraz. Um dos destaques é o paletó de linho com fio de aço, que dá um leve brilho ao tecido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.