‘Uber vai aderir ao modelo da Prefeitura’, diz porta-voz

Novo proposta prevê cobrança de créditos por quilometragem

Juliana Diógenes, O Estado de S. Paulo

29 Dezembro 2015 | 18h48

SÃO PAULO - O porta-voz da empresa norte-americana Uber, Fábio Sabba, afirmou ao Estado nesta terça-feira, 29, que o decreto da Prefeitura de São Paulo apresentado pela manhã “vai dar muito certo”. O novo modelo prevê cobrança de créditos das empresas por quilometragem. Sabba disse que o Uber vai aderir.

“O decreto é completamente novo. Não existe em nenhum outro lugar do mundo. O modelo, definitivamente, vai dar muito certo”, afirmou o porta-voz.

Sabba elogiou o critério proposto pela administração municipal que vai aumentar ou diminuir o preço dos créditos com base no local onde o motorista inicia a viagem e os horários de serviço. “Isso é legal porque faz com que você tenha mais viagens em lugares da cidade onde não tem transporte individual público ou privado disponível”, disse.

Diferentemente de outros lugares, como a Cidade do México, que regularizou o Uber por meio do pagamento de taxas a cada viagem, a regulação proposta pela Prefeitura tem a ideia de compra de quilometragem.

De acordo com o porta-voz, o modelo de compra de crédito por quilômetro é mais transparente e pode ser replicado em outras partes do Brasil e do mundo. “Você paga pelo uso. É como se fosse uma compensação pela utilização comercial mais intensa do viário da cidade”, destacou.

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO Uber Cidade do México Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.